BRITEIROS: Março 2005 <$BlogRSDUrl$>








quinta-feira, março 31, 2005

Parabéns

Embora esta mensagem não vá chegar ao seu destino (a Internet não é panaceia para tudo…), quero dar daqui os parabéns aos irmãos Garfio e Saliega que, apesar de confinados pela vontade dos homens, foram capazes de apostar no futuro e dar ao mundo (que, se calhar, não os merece) três bébés fortes e cheios de vida. Faço votos para que a irmã Morena, que também está de esperanças, tenha o mesmo êxito.
Se calhar, soa despropositado, mas apetece-me dizer, como dizia o Che Guevara: “Hasta la victoria, siempre”.

Leia mais... >>>

:: enviado por Manolo :: 3/31/2005 11:05:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

O que conta

Ainda a propósito do Papa, o que conta, parece-me a mim, não é o sofrimento individual exibido sem pudor ao mundo (ao mesmo nível – e não certamente por acaso – do recente filme “A paixão de Cristo” do fundamentalista Mel Gibson), com o que isso tem de constrangedor para quem vê e de vexatório para quem sofre. Até porque o sofrimento físico, admitamo-lo, não é compartilhável, seja qual for a admiração, o respeito ou até mesmo o amor que nos inspira quem sofre. No caso do Papa, o que conta é que espreitemos para trás do cenário: Para não ir mais longe, sabe-se que a Igreja não se perde de amores pela mudança. Depois de ter saído das catacumbas romanas, aproximou-se do poder, associou-se a ele e, em muitos casos, apropriou-se dele. A partir daí, tratou de ser sempre um travão ao progresso (é possível esquecer Galileu? E se o autor do “Código Da Vinci” tivesse vivido há uns séculos atrás, não seria consumido pelas chamas do inferno ainda em vida?). Passou de perseguida a perseguidora, de vitima a carrasco, de revolucionária a reaccionária e não hesitou um instante em recorrer a todos os meios para cumprir os seus fins. Quando digo Igreja, estou a referir-me à hierarquia – não, naturalmente, às honrosas excepções (S. Francisco de Assis ou os “teólogos da libertação”, por ex.). Sendo assim e tendo todos nós lido ou ouvido falar sobre as ligações perigosas do Vaticano no mundo dos negócios, podemos fácilmente concluir que o risco não é a profissão deles, que não lhes interessa trocar o certo pelo incerto e, tendo mesmo de ser (afinal o homem pode até ser “infalível”, mas não deixa de ser mortal), que seja o mais tarde possível.
Por “falar” em bastidores, o PÚBLICO espreitou os do finado governo do guerreiro-menino e descobriu um mega-negócio das telecomunicações concretizado já depois das eleições e que envolvia o ministro Daniel Sanches, o antigo secretário de estado da administração fiscal, Oliveira e Costa, o impoluto e muito católico Bagão Félix e o omnipresente nesta coisa dos negócios, Dias Loureiro, também ex-governante e muito escutado pelo ex-1º ministro nas vésperas da formação do seu governo (este “seu” é propositado: não sei, embora suspeite, de quem era o governo, se dum se doutro…).
Já agora, atrás do actual prime-minister quem estará? Só o Jorge Coelho?...

:: enviado por Manolo :: 3/31/2005 10:15:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Uma democracia musculada

Uma cena de vigorosa pancadaria rebentou ontem na câmara baixa do Parlamento russo, opondo o deputado ultra-nacionalista Vladimir Jirinovski ao representante do partido Rodina (populistas patrióticos), Andreï Saveliev. Tudo começou quando, a propósito da análise das recentes eleições no distrito autónomo de Iamalo-Nénets, Jirinovski e os seus companheiros de bancada ameaçaram abandonar a sala. Nessa altura, na sequência duma troca de insultos entre Saveliev e Jirinovski, este encarregou o seu gorila favorito, Oleg Malychkine, antigo candidato à presidência da Rússia, antigo boxista e jogador de futebol, de dar uns murros no deputado do Rodina.
Perante a recusa de Malychkine, Jirinovski encarregou-se directamente de saltar sobre o adversário. Só que este, adepto do karaté, não teve nenhuma dificuldade em dominar Jirinovski e atirá-lo ao chão.

:: enviado por JAM :: 3/31/2005 11:08:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

quarta-feira, março 30, 2005

O que importa

Importa alguma coisa gastar cera com ruim defunto, falando/escrevendo ainda sobre Santana Lopes? “No plaino abandonado que a morna brisa aquece, jaz morto e arrefece o menino(-guerreiro) de sua mãe…”
Importa alguma coisa falar/escrever sobre esse dinossauro, que passou de perigoso carnívoro a pachorrento (e humilde entre os humildes) herbívoro, que é o Sr. Professor Freitas do Amaral?
Importa alguma coisa tentar decifrar o enigma que aparenta ser este governo, que mais do que em estado de graça, está em estado de esfinge: “Decifra-me e/ou devoro-te!”? Como se o PS (afinal este é um governo do PS…ou não?) não tivesse já dado provas mais do que suficientes ao longo destes últimos 30 anos, como se parte destes governantes actuais não o tenham sido já e há bem pouco tempo (eu cá ainda ouço os grunhidos surdos que vêm do pântano…). O Governo vai fazer umas sinalefas à esquerda e outras à direita, vai fazer tudo por não fazer nada de importante daqui até às eleições autárquicas que estão já aí ao dobrar da esquina, e, depois, então sim, vamos ver a verdadeira face, pouco restará do enigma, espero que continuemos vivos…
Aproveitemos, pois, já que, como escrevia Miguel S. Tavares no Público de 18.03, “mais do que esperança, os portugueses sentem, desde 20 de Fevereiro, alívio”.
Mais importante talvez é saber o que é que aquela esquerda que nunca sujou as mãos num governo vai fazer com a subida eleitoral que lhes foi proporcionada (o BE já enche 2 táxis com os seus deputados). Segundo Vasco Pulido Valente, o BE, por ex., “avançou para coisa nenhuma” já que “as pessoas querem o BE para incomodar o sistema, sabendo que o BE não o ameaça”. Sim, o BE é bom como força contra-corrente. Quanto ao resto, convoquemos a esperança (pelo menos, não têm as tais provas dadas, como o PS).
O PCP tem galões no que toca a resistir, embora tenha também algumas provas dadas nas alturas em que, não tendo efectivamente o poder, andou lá perto e perto demais.
Mais importante ainda é a água, que, num futuro próximo, será motivo de guerras (elas já existem, no plano diplomático/politico, aqui mesmo, por ex., entre Portugal e Espanha, por causa do caudal dos 3 maiores rios ibéricos, o Tejo, o Douro e o Guadiana, ou em Espanha, entre Aragão e a Comunidade Valenciana, por causa do Ebro).
Mais importante é a biodiversidade todos os dias posta em causa pela rapacidade de um sistema que vive e se alimenta (sem nunca estar saciado) do lucro, da maximização do lucro. No Alasca, agora aberto e exposto ao Império. Na Amazónia. Wherever.
Como prémio de consolação, soubemos hoje que o lince andaluz (cujo primo da Malcata não se sabe se ainda bule) se reproduziu em cativeiro, no Parque Nacional de Doñana. Em cativeiro, meus amigos…

:: enviado por Manolo :: 3/30/2005 10:59:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Resposta ao comentário da Adryka ao post precedente

Passaram mais de dois mil anos desde o sofrimento e a flagelação de Cristo, e do início da ideia cristã de que quanto mais sofrermos nesta vida mais depressa atingiremos o reino dos céus, o paraíso, a vida eterna. A mesma ideia que a Igreja pretende, uma vez mais, transmitir-nos através do sofrimento em directo do Papa.
Dois mil anos deveria ter sido suficiente para compreendermos que todo o sacrifício, sofrimento e dor que a Igreja nos pede, não passa de um alibi para garantir a resignação e a passividade dos mais pobres, face aos ricos e aos poderosos que se aproveitam da fé daqueles que exploram, tantas vezes com a conivência ou o silêncio da própria Igreja.
É por isso que, vinte e um séculos depois de Cristo, os cristãos deveriam ser os primeiros a recusar esta imagem do sofrimento, da piedade e do desrespeito pela dignidade humana.
A Igreja Católica é mais do que uma grande empresa. É mais do que um Estado. É dominada por uma enorme cadeia hierárquica. Nesta cadeia, o Papa não está sozinho. No seu estado de debilidade, está, mais do que nunca, sujeito às influências e às manipulações da sua corte.
Ora, essa corte deveria ter a lucidez suficiente para deixar ao mundo cristão uma memória digna de um dos papas que mais marcou a História da Igreja contemporânea. Pelo contrário, esta memória que vai ficar de um líder religioso a morrer aos poucos e em directo, como se se tratasse de um qualquer Big Brother da TV, não dignifica em nada a Igreja e transmite dela uma imagem mais negativa do que positiva.

:: enviado por JAM :: 3/30/2005 09:46:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Karol Wojtyla não merecia acabar assim

A exploração mediática das aparições do Papa à janela para, ao fim e ao cabo, demonstrar aos fieis que estão perante um simples mortal sofredor, como todos os humanos, não poderia dar um pior exemplo de falta de dignidade das altas instâncias da Igreja Católica.
O José Mário Silva vai ao ponto de classificar este aproveitamento da lenta agonia de João Paulo II como um acto e uma manobra ao melhor estilo soviético.
Igualmente, na opinião do Carlos Esperança, não é a hipocrisia que mais choca, é a insensibilidade e a barbárie que ferem. Todos vêem que não é o velho autocrata que decide, são os sinistros dignitários da Cúria romana que escrevem o guião de uma tragédia humana cujo objectivo é transmitirem a morte em directo.

:: enviado por JAM :: 3/30/2005 01:35:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

Constituição europeia e neoliberalismo

A directiva Bolkestein, foi enterrada, “tal como está”, pela cimeira dos 25 chefes de Estado e de governo da semana passada. Foi nestes termos que o projecto de criação do mercado único dos serviços na EU foi retirado, o que significa que não morreu, mas que está apenas congelado, à espera de melhores dias – leia-se, à espera que todos os referendos sejam realizados e a Constituição europeia seja finalmente aprovada, sem sombra de referências anti-sociais.
A este propósito, vale a pena ler o artigo de Fernando Rosas, no PÚBLICO de hoje.
(aproveitem que é a última semana em que estes artigos são gratuitos)

A directiva Bolkestein tem uma cenoura e dois paus. A cenoura são as propostas de facilitação da circulação, de desburocratização, simplificação de processos administrativos, harmonização das legislações, etc..., tudo, de uma forma geral, ideias estimáveis e necessárias. Depois vêm os paus.
Por um lado, os clientes dos países com salários mais altos e protecções sociais mais efectivas passariam a recorrer a empresas prestadoras de serviços (desde logo por eles criadas) localizadas nos Estados com salários mais baixos e leis do trabalho e de protecção social menos exigentes, para virem fazer a custos reduzidos o que eles necessitassem. Com um duplo efeito: o
dumping social, a concorrência desleal, contra os trabalhadores do país de destino – era a forma ideal de rodear as conquistas sociais institucionalizadas nesses Estados – e frustrando a possibilidade de os trabalhadores dos países de origem melhorarem as suas condições de vida e de trabalho, obtendo um verdadeiro rendimento diferencial à custa da sobreexploração do trabalho mais barato importado.
Por outro lado, toda a directiva Bolkestein é marcada por uma lógica privatista, de comercialização e mercantilização extensível aos serviços públicos, naturalmente sujeitos no seu funcionamento às prioridades do lucro e do mercado.


Uma Constituição é a norma fundamental do ordenamento jurídico de um País, a Lei fundamental de um Estado, da qual todas as leis são subsidiárias. É por isso que a Constituição europeia se poderá tornar um instrumento muito perigoso para o ordenamento jurídico da União Europeia: é que, não estamos perante um País, ou um Estado, mas sim perante 25 Estados com realidades e legislações económicas e sociais bem distintas. Por isso me parece que Constituição europeia e neoliberalismo são totalmente incompatíveis.

:: enviado por JAM :: 3/30/2005 11:42:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

terça-feira, março 29, 2005

A Ásia escapou a um segundo tsunami

Na semana passada, referimos aqui a possibilidade de um novo violento terramoto submarino ao largo da ilha de Sumatra. Pois bem, ele aconteceu ontem, praticamente no mesmo local e de magnitude comparável àquele que, em 26 de Dezembro, provocou o mortífero tsunami que se estendeu da Indonésia até África, passando pela Tailândia e pelo sub-continente indiano, fazendo cerca de 270 mil vítimas.
Segundo os especialistas do Centro de Investigação Geológica de Potsdam, o organismo encarregado de instalar o sistema de alerta ao tsunami na Indonésia, desta vez não houve formação de um tsunami porque o fundo submarino ter-se-á movido horizontalmente, e não verticalmente, como em 26 de Dezembro. Por outro lado, a profundidade do mar e a estrutura da costa são também importantes. Quanto mais profundo for o mar, no sítio do epicentro, maior é o risco de tsunami.

:: enviado por JAM :: 3/29/2005 06:02:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A máquina distribuidora de democracia

No Quirguistão começou o que alguns qualificaram como a “revolução das tulipas”, em referência às outras “revoluções coloridas” levadas a cabo em antigas repúblicas soviéticas. Só que desta vez, contrariamente às anteriores, é muito mais evidente a intervenção americana na sua preparação. É que, os Estados Unidos dispõem duma base militar no Quirguistão, desde a intervenção no Afeganistão em 2001, e por isso, vinha mesmo a calhar uma transição de poder não violenta, em favor de um dirigente pró-ocidental.
O organismo responsável por esta nova “revolução democrática” chama-se Freedom House (Casa da Liberdade), uma oficina de propaganda – considerada por muitos uma ONG para a defesa dos direitos humanos – criada por Roosevelt para moldar a opinião pública no tempo da guerra fria. O actual presidente da Freedom House é James Woolsey, que era director da CIA antes de se dedicar à exportação da democracia e da liberdade no mundo.
No caso do Quirguistão, a Freedom House ajudou, financeira e tecnicamente, a organizar a oposição e, para isso, construiu uma tipografia – Media Support Center – que pôs à disposição dos partidos e das organizações estudantis para que pudessem facilmente produzir e imprimir os seus jornais – entre outros, os semanários “Respublica”, “Analitika” e “Litsa” e o trissemanário “MSN” – e assim espalhar mais facilmente as sementes da revolução.

:: enviado por JAM :: 3/29/2005 11:17:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

segunda-feira, março 28, 2005

Pôr a arma na mão do assassino?

Que têm em comum medicamentos como o Congestan, o Claridon, o Dinaxil e o Actifed? À primeira vista a resposta é simples. São medicamentos que se tomam normalmente em caso de gripe e similares. Olhando com mais atenção ficamos a saber que contêm pseudoefedrina. Podemos saber que são medicamentos não comparticipados.
E depois? Pergunta o leitor. Depois, a pseudoefedrina pode ser facilmente transformada em metanfetamina que é uma droga perigosa. E isso faz-se como? Perguntará o leitor interessado.
É muito simples. É o próprio Departamento de Justiça Norte Americano que informa acerca dos utensílios e produtos químicos necessários para tal operação de química ilegal.

Example

E em espanhol (a lista não a reproduzimos integralmente por óbvias razões):

Productos que se emplean en la producción de metanfetamina
Acetona
Ácido clorhídrico (para piscinas)
Ácido sulfúrico (limpiador de cañerías)
Alcohol (isopropílico o para fricciones)
*********
Equipamiento empleado en la producción de metanfetamina
Cilindros de propano
Cinta adhesiva
Coladeras
Cristalería templada
Cubos y baldes
*********

No caso dos ingredientes vai ao ponto de informar acerca dos usos mais frequentes para estes produtos de drogaria. Só falta mesmo é que o departamento do estado americano que combate as drogas dê a receita do seu fabrico...

Vamos ver quem encontra a primeira receita de faça-você-mesmo a sua própria bomba nuclear?

:: enviado por RC :: 3/28/2005 09:08:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Obsessão trágica...

Algo está muito errado com uma sociedade em que jovens de vinte anos tomam Viagra, Ecstasy, e outras drogas estimulantes, para poder ter prazer. É um mundo em que se é jovem até cada vez mais tarde e senil cada vez mais cedo? Essa de tomar Viagra aos vinte anos deixa-me totalmente perplexo. Alguém quer comentar?

:: enviado por RC :: 3/28/2005 08:43:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Caça pela Internet

Praticar caça grossa, à distância de milhares de quilómetros, tendo como arma apenas o rato do computador, já é possível, graças às novas tecnologias. O texano John Lockwood organiza batidas de caça para aqueles que não têm possibilidades de praticar este desporto ao vivo, ou que desejam fazê-lo, sem correr riscos, a partir do conforto da sala da estar.
Pelo preço de 18 euros por mês e 200 euros por hora de caça, podem activar, à distância, uma carabina, com mira telescópica, de calibre 20.06, e matar antílopes, veados, javalis e outros grandes animais do rancho de Lockwood no Texas. Para isso, basta seguir o animal pelo écran do computador e dar o sinal de disparar quando ele estiver na linha de mira. Lockwood tem tudo previsto e, quando o animal ficar apenas ferido, ele próprio aparece para acabar o trabalho e abreviar-lhe os sofrimentos.

Interessados? http://www.live-shot.com/

:: enviado por JAM :: 3/28/2005 06:25:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Porquê aumentar a idade da reforma?

A Segurança Social contratou, em 2002, por ajuste directo, a aquisição de bens e serviços informático a empresas externas num total de 53,3 milhões de euros.
Depois admiram-se que as contas da Segurança Social sejam deficitárias e que seja preciso aumentar a idade da reforma e reduzir o valor das pensões...

:: enviado por JAM :: 3/28/2005 12:32:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

domingo, março 27, 2005

La colère de Monsieur Chirac

A revista francesa L’Express assegura, na sua edição desta semana, que Jacques Chirac interveio para impedir a participação de Durão Barroso no programa “100 minutes pour convaincre”, do canal France 2. A Comissão Europeia confirmou ao Le Monde que a notícia “não é falsa” mas que “não comentava”.
Depois das embirrações do José Manuel sobre a directiva Bolkestein, Chirac não quer, decididamente, que o presidente da Comissão venha comprometer ainda mais a vitória do “sim” no referendo à Constituição europeia. É que, cem minutos de Barroso a falar para os franceses, daria certamente todas as garantias que faltam à vitória do... “não”.

:: enviado por JAM :: 3/27/2005 06:35:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

sábado, março 26, 2005

Satanás na concha de uma tartaruga...

Satan

Estará próximo o fim do mundo? Já há quem veja Satanás na concha de uma tartaruga.


P.S.
Isto é que é falta de inspiração. Deve ser de tanto pão ázimo.

:: enviado por RC :: 3/26/2005 08:34:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Virgindade em leilão

O insólito aconteceu no Peru. Uma jovem de 18 anos pôs a sua virgindade à venda na Internet para ajudar a mãe doente e os irmãos mais novos. O jornal popular Trome publicou a história da jovem Gracia Yataco León, com o respectivo e-mail, ao qual mais de 4 mil pessoas já responderam, entre os quais um empresário, casado, disposto a pagar 20 mil euros. O valor do “precioso bem” fora inicialmente fixado em 8 mil soles (cerca de mil e seiscentos euros).
A história encheu as crónicas dos jornais peruanos e provocou múltiplas reacções intimando a jovem a trabalhar em vez de vender o corpo. Uma deputada exigiu uma intervenção imediata do Ministério da Mulher e do Desenvolvimento Social, estimando que “é evidente que esta jovem não sabe o que faz e demonstra que há uma perda de valores no país e que a escola deverá passar mais horas a formar melhores seres humanos”.

:: enviado por JAM :: 3/26/2005 12:04:00 da manhã :: 2 comentário(s) início ::

sexta-feira, março 25, 2005

O eterno debate das armas nos Estados Unidos

Após a matança levada a cabo, esta semana, por um jovem estudante de 16 anos, no Estado do Minnesota, vale a pena rever o filme de Michael Moore – Bowling for Columbine – que relembra a tragédia da pequena cidade de Columbine onde, em 29 de Abril de 1999, dois adolescentes mataram doze colegas, mais o professor, suicidando-se em seguida.
O filme de Michael Moore denuncia o culto dos americanos pelas armas de fogo e a incrível facilidade com que é possível adquiri-las.

:: enviado por JAM :: 3/25/2005 04:11:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Semana de trabalho de quatro dias

Uma boa notícia, neste mundo cada vez mais globalizado, chega-nos das Filipinas, pela voz do The Philippine Star. Como fazer para economizar energia quando os preços do petróleo estão no máximo e a estação quente leva as pessoas a utilizarem intensamente ventiladores e ar condicionado? O governo filipino encontrou a solução: nos próximos dois meses, os funcionários públicos vão trabalhar só quatro dias por semana.
Uma tal medida, permitirá uma redução de 10 % no consumo de electricidade e de combustíveis. E que ninguém se queixe se tiver que acelerar o ritmo de trabalho nesses quatro dias pois, em contrapartida, terá um fim de semana alargado que lhe proporcionará mais tempo para a vida familiar.
Uma boa iniciativa... a globalizar!

:: enviado por JAM :: 3/25/2005 11:49:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

quinta-feira, março 24, 2005

... ou equiparado

"Oposição aberta a consenso sobre cargos de nomeação política"

Todos sabemos que a tendência para desmembrar a Função Pública, para a criação de Institutos, para a excepção ser a regra, resulta da extrema pressão de máquinas partidárias para a repartição do "bolo" do estado. É positivo que o ggoverno tenha avançado com a iniciativa de definir, de uma vez por todas, quais os cargos que devem ser de nomeação política. Será interessante ver a justificação para tal, caso a caso.
Se a expressão "ou equiparado" aparecer no texto final, podemos começar a rir?

:: enviado por RC :: 3/24/2005 11:56:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

quarta-feira, março 23, 2005

À espera do papa liberal

O estado de saúde do papa voltou a piorar. Todas as suas audiências previstas foram anuladas. Mesmo as cerimónias da semana santa, das mais importantes do calendário litúrgico, às quais vai faltar pela primeira vez. Perante este estado vacilante do chefe da Igreja Católica, os jornalistas estão, mais do que nunca, impacientes para pôr em prática todo o circo mediático que, há bastante tempo, prepararam. Também alguns cardeais começam igualmente a dar sinais de impaciência, sendo curioso que nenhum deles tenha ainda sugerido a reabertura do precedente do século XIII, da demissão papal.
Poderemos nós esperar um próximo papa mais liberal, nomeadamente sobre as questões da ordenação das mulheres, do casamento dos padres, do estatuto dos divorciados recasados, da homossexualidade, ou do uso do preservativo? Ou então uma maior aproximação ao islão, envolto em confrontos, por vezes, violentos com os cristãos, sobretudo em África e na Ásia?
Ora, um papa vindo de África ou da Ásia teria poucas hipóteses de responder às aspirações dos católicos liberais. Mas, se a América do Sul e Central formam o maior contingente no colégio dos cardeais, os ortodoxos ainda têm muita força. Quanto aos Norte americanos, perderam todas as chances de eleger alguém após todos os escândalos de pedofilia em que foram implicados. E, para além disso, um papa anglo-saxónico é pouco provável por causa da guerra no Iraque. Quanto à Europa, atendendo ao número decrescente de católicos praticantes, eleger, de novo, um papa europeu, seria como eleger presidente duma multinacional o director duma filial pouco rentável.
Há, pelo menos, um cardeal europeu a quem poderá sair a sorte grande: o responsável pela Congregação da Doutrina da Fé (outrora chamada Santo Ofício), o cardeal alemão Joseph Ratzinger, ultraconservador e ovelha negra dos liberais, que afrontou a laicidade e defende a ortodoxia católica. Tudo isto faz do cardeal Ratzinger um homem temido, mas respeitado pelos cardeais do mundo inteiro.

:: enviado por JAM :: 3/23/2005 10:54:00 da manhã :: 4 comentário(s) início ::

Ainda a excepção francesa

© Desenho de Schneider – Tageblatt

O referendo à Constituição europeia de 29 de Maio, em França, acaba de fazer a sua primeira vítima: o projecto de directiva sobre a liberalização dos serviços, de que falámos aqui. Esta directiva, extremamente contestada pelo presidente Chirac, e pelos franceses em geral, estava a tornar-se no principal argumento da campanha dos defensores do “não”.
A algumas horas da cimeira dos 25 chefes de Estado e de governo, que ontem teve início em Bruxelas, o Presidente da União, em exercício, Jean-Claude Juncker, primeiro ministro do Luxemburgo, excluiu definitivamente a adopção da directiva Bolkestein. “Dizemos sim à liberalização dos serviços, mas dizemos não ao dumping social. Por isso, a directiva, tal como está, vai ser enterrada”.

:: enviado por JAM :: 3/23/2005 10:21:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

terça-feira, março 22, 2005

22 de Março – Dia Mundial da Água

A água é um bem precioso e insubstituível. É um elemento da natureza, um recurso natural. Neste dia em que se comemora o Dia Mundial da Água, é preciso lembrar que, em diversos lugares do planeta, milhares de pessoas sofrem com a falta desse bem essencial à vida. Mais de um bilião de seres humanos não têm acesso à água potável, e em cada semana, 30 mil pessoas morrem de doenças diarreicas devidas às carências de aprovisionamento de água.
As vantagens económicas de uma melhoria dos sistemas de fornecimento de água e saneamento seriam, de longe, superiores aos investimentos realizados. Quem o diz é a Organização Mundial da Saúde, que garante que, por cada milhão de dólares investido, o rendimento anual seria da ordem de 7,5 milhões.

:: enviado por JAM :: 3/22/2005 11:22:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

O tsunami pode repetir-se

O grande sismo que provocou o tsunami do final do ano passado tem sido objecto de estudos por parte de especialistas em sismologia, em particular o irlandês John McCloskey da universidade de Ulster, que descobriu que o enorme desabamento da costa de Sumatra, provocado pelo sismo que originou o tsunami, criou um aumento da pressão sobre as duas falhas, já de si vulneráveis, do solo oceânico da região, que aumenta significativamente os riscos de um novo sismo de 7,5 na escala de Richter e, consequentemente, de um novo tsunami nos próximos meses.
O problema é que o sistema de alerta, que avisa antecipadamente a chegada do tsunami no Oceano Índico, não estará operacional nos próximos meses – e mesmo antes de um a dois anos – o que fará com que a região fique dependente da vigilância do Japão e dos Estados Unidos sobre as duas falhas em risco.

O Guardian dá a notícia e mostra uma representação gráfica da região onde se pode ver a disposição das falhas, uma das quais atravessa longitudinalmente por baixo da ilha de Sumatra.

:: enviado por JAM :: 3/22/2005 10:57:00 da manhã :: 2 comentário(s) início ::

Quem quer o saber, paga...

"[...] Há cinco anos que o Centre for European Reform (CER) de Londres faz o balanço da execução da chamada "agenda de Lisboa", e no último relatório anual a história repete-se: com alguns ajustes, os países nórdicos são quase sempre os melhores alunos, os do Sul, Portugal incluído, os piores. Feitas as contas, a Suécia é grande vencedora em termos globais, merecendo a Itália a pior classificação. [...]"

E lá fui eu à procura da informação. E encontrei facilmente e como a Europa caminha, no âmbito da estratégia de Lisboa, para uma sociedade em que o conhecimento deve compensar o "labour dumping" do sudoeste asiático, aí está o site:

Example

Não me apetece "entrar" com €19.00, pelo que me fico pela "informação" do Público.

:: enviado por RC :: 3/22/2005 09:37:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

segunda-feira, março 21, 2005

A ONU atingiu o prazo de validade

Kofi Annan quer uma reforma profunda da ONU e não alterações pontuais. “Por mais liberdade e pelo desenvolvimento, segurança e direitos humanos para todos”, é o título do relatório de 63 páginas, ontem tornado público. Objectivos principais, alargar o Conselho de Segurança a outros países – para melhor reflectir a realidade do poder global – remodelar a Comissão dos Direitos do Homem e redefinir o que é o terrorismo, para acabar de vez com todas as justificações de resistência nacionalista.
Só que este relatório não traz nada de novo e apenas assenta na ideia de base que “não pode haver desenvolvimento sem segurança, nem segurança sem desenvolvimento, nem segurança e desenvolvimento sem respeito pelos direitos humanos”.
Numa altura em que as Nações Unidas estão na mira da crítica internacional, devido a uma sucessão de escândalos, e com a ameaça que paira sobre Kofi Annan de não chegar ao fim do seu mandato, previsto para o final de 2006, fica a impressão de que é preciso, a todo o custo, mostrar obra feita, mesmo que sejam propostas bolorentas e cheias de boas intenções.

:: enviado por JAM :: 3/21/2005 09:37:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O PPD e o CDS passaram-se...

O deputado Marques Guedes do PSD e Telmo Correia do CDS citaram amplamente Freitas do Amaral. Eu, que nunca li nada escrito pelo prof., fiquei a saber que escreve bem e acerta algumas em cheio.

Quem pensa em Guantanamo treme, disse Freitas. Concordo.

:: enviado por RC :: 3/21/2005 08:47:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Vamos gastar melhor e equilibrar as finanças públicas

Example
Aqui está uma foto dos Harrods. Depois da loja Tie Rack encontramos o Consulado Geral (não esquecer o geral) de Portugal em Londres. É todo um andar da Silver City House, alugado...

Ouvindo o Professor Freitas do Amaral e seguindo com interesse na RTP2 o debate do programa de Governo, não resisto a deixar aqui uma sugestão de poupança estruturalmente sã. O Ministério dos Negócios Estrangeiros tem como política imobiliária no estrangeiro o arrendamento de edifícios, quase todos de prestígio e em áreas de prestígio, nas diversas capitais do mundo. Porque o dinheiro é escasso, pergunto: Porque não existe uma política de compra de imobiliário em vez de fortunas pagas mês após mês, sem que daí advenha nenhum benefício para a riqueza do país. É também assim que o orçamento do estado se esfuma...

:: enviado por RC :: 3/21/2005 08:03:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

domingo, março 20, 2005

Vamos lá então falar do que interessa

[DINHEIRO : A educação deve ser o sector da vida portuguesa onde mais se desperdiça e pior se gasta.]

No nosso recente “post”, A realidade e os Simulacros, queríamos lançar esta polémica. Existem, no nosso entender, dois tipos de esbanjamentos no nosso sistema educativo. Para compreender do que estou a falar é necessário reflectir um pouco sobre os singelos factos a que eu fazia referência no “post” que referi. Entendo que podemos classificar os desperdícios em duas categorias: a circunstancial e a estrutural. Devemos, por imperativo de compreensão, entender o sistema educativo, pré-universitário, como sendo composto de duas realidades: os níveis de monodocência e os de pluridocência, a saber, o pré-escolar e o primário, por um lado, os vários ciclos do “segundo” sistema, por outro. Os fortes desperdícios no primeiro advêm de circunstâncias de rede escolar, da diluição de competências entre serviços centrais e autarquias que impedem, por razões óbvias, a racionalização de recursos e a qualificação objectiva e funcional destes ciclos, nomeadamente o primeiro. Primeiro ciclo este que concentra as atenções dos ignorantes da realidade por permitir percepções fáceis do carácter ilógico da rede, fruto da existência de um número considerável de escolas com população escolar inferior a dez. No entanto, como provaremos, não é neste ciclo que se joga a batalha do desperdício.

É nos ciclos “segundos”, que o esbanjamento de recursos humanos é absolutamente escandaloso. Como o “post”, A Realidade e os Simulacros, evidencia, o esbanjamento é estrutural, intencional, fruto de uma incapacidade para compreender a real natureza dos problemas que determinam o insucesso escolar e o abandono, nomeadamente.

Nestes ciclos “segundos” a relação adulto/aluno é de um professor para cada seis ou sete alunos, comparada com um para treze ou catorze do norte da Europa, mantendo-se constante, com pequenas variações de escola para escola. No ciclo primeiro, monodocente, temos uma relação de um para vinte, comparável sem grande prejuízo com os parâmetros do resto da Europa, se considerarmos as escolas de pequena dimensão em termos Europeus, ou seja, com duzentos e mais alunos. Esta relação é depois degradada pela existência de um sem número de micro-escolas que existem tão somente, e na maior parte dos casos, por imperativos de política local e de demissão dos serviços centrais face aos interesses eleitoralistas locais.

De tal forma é intencionalmente enviesada a análise destes problemas que em relação ao ciclo primeiro se fazem referências à relação professor/alunos, e em relação aos ciclos segundos se referem sempre as relações turma/alunos.

Fazemos estas referências a propósito de dinheiro porque é em recursos humanos que a quase totalidade do orçamento do ME é gasto. Estas são as realidades, incontornáveis e insofismáveis.

P.S.
Sobre esta problemática não há qualquer referência expressa no programa de governo.

:: enviado por RC :: 3/20/2005 02:55:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Falemos de educação

António Barreto, no seu habitual estilo provocador, debruça-se, no PÚBLICO de hoje, sobre os principais erros da educação portuguesa e aponta os respectivos sete pecados capitais:

DINHEIRO : A educação deve ser o sector da vida portuguesa onde mais se desperdiça e pior se gasta.
PROFESSORES : É possível que haja muitos milhares de professores a mais.
CENTRALIZAÇÃO : o Ministério da Educação tem o desplante de querer administrar, a partir de Lisboa, 12.000 escolas, mais de 200.000 professores e mais de milhão e meio de alunos.
MODAS : A adesão entusiasta a todas as modas que, sucessivamente, se vão criando para a pedagogia, a organização curricular, a gestão escolar, a avaliação e a elaboração de programas.
SISTEMA FECHADO : Ninguém é responsável perante ninguém.
INSTABILIDADE : Resulta directamente da gestão centralizada, da uniformização do sistema e da cumplicidade dos sindicatos que não querem que as escolas sejam da responsabilidade das autarquias.
A GESTÃO DEMOCRÁTICA : É tudo menos democrática. A ser alguma coisa, é demagógica e corporativa. Mas desconfia-se que também não seja bem gestão. A gestão democrática das escolas é o princípio fundador da irresponsabilidade dos professores perante a comunidade.


PS: A blogosfera política tem andado um pouco “morna”, devido talvez à blindagem informativa em volta do novo governo e ao estado de graça em que, necessariamente, se encontra. Deixo-vos pois as polémicas reflexões de António Barreto (que vos convido a ler na íntegra) e... venha o debate.

:: enviado por JAM :: 3/20/2005 10:55:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

sábado, março 19, 2005

Haja rumo...

Com a divulgação do programa de governo começa um exercício interessante. Primeiro vamos ler e depois tentar adivinhar o que vai ser feito. Apesar de desejarmos que este governo governe bem não temos a tentação de passar cheques em branco, nem desligámos os sensores que nestes últimos anos desencadearam tantos alarmes, poucos deles falsos. O Programa, no que diz respeito à Educação, mantém muitas das características de programa eleitoral. Parece-nos que tenha sido construído como uma intenção de cumprir os compromissos eleitorais. Vamos estar atentos.

"Superar o atraso educativo português face aos padrões europeus, integrar todas as crianças e jovens na escola e proporcionar-lhes um ambiente de aprendizagem motivador, exigente e gratificante, melhorar progressivamente os resultados, fazendo subir o nível de formação e qualificação das próximas gerações, tudo isto constitui uma urgência nacional. A superação destes desafios é essencial para o desenvolvimento pessoal e cívico de cada um, para a promoção da ciência e da cultura, para a coesão da sociedade, para a produtividade e a competitividade da economia."

Acho bem!

:: enviado por RC :: 3/19/2005 09:54:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Santana Lopes vai processar a Eurosondagem

Uma sondagem realizada pela Eurosondagem para a SIC e hoje divulgada mostra que, se as eleições autárquicas se realizassem hoje, os eventuais candidatos do PS à Câmara Municipal de Lisboa estariam melhor posicionados para vencer que os candidatos do PSD. O inquérito revela, ainda, que Santana Lopes perderia as eleições com qualquer candidato do PS, enquanto Carmona Rodrigues teria maiores possibilidades de disputar a liderança da autarquia.

:: enviado por JAM :: 3/19/2005 05:21:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

De mula...

Example
Todos os dias, esta menina com nove anos de idade vai para a escola de mula. É uma viagem de meia hora. A deslocação de 40 quilómetros, ida e volta, é motivo de inveja para todos os colegas...

Leia mais...>>>

:: enviado por RC :: 3/19/2005 04:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A teoria da relatividade em política

Bordéus – 10 de Março de 2005 (foto Reuters)

Falou-se muito nas últimas semanas, do efeito Freitas do Amaral e da sua evolução para a esquerda. Falou-se também que, talvez tenha simplesmente ocorrido uma evolução de todo o espectro político para a direita. Agora, o The Economist coloca a mesma questão em relação ao presidente francês Jacques Chirac, um veterano do gaulismo que se transformou num dos políticos mais à esquerda da Europa.
Chirac lançou há tempos a ideia duma taxa internacional de solidariedade para financiar o desenvolvimento em África e a luta contra a SIDA. No mês passado, a sua carta ambiental para a salvação do planeta tornou-se parte integrante da Constituição francesa. No plano económico, nos seus dez anos de poder, a política francesa tem resistido aos ataques da economia liberal. Nos negócios estrangeiros, o presidente francês não tem igual como porta-voz do antiamericanismo. No Próximo Oriente, as suas posições pró-árabes e a sua hostilidade à guerra no Iraque fazem dele um esquerdista cuja visão do mundo parece saída dum qualquer campus universitário. No seio da União Europeia, opõe-se à liberalização dos mercados e defendeu mesmo uma política industrial intervencionista.
Embora a análise do semanário britânico explique esta evolução para a esquerda como simples estratégia eleitoral ou como uma herança do gaulismo, o certo é que a França tem uma tradição de luta sindical e de mobilização social impar na Europa, facto de que a sondagem ontem publicada e que dá um número superior a 50 % de “nãos” à Constituição europeia, como resposta a uma Europa cada vez menos social, é uma manifesta evidência.

:: enviado por JAM :: 3/19/2005 10:34:00 da manhã :: 2 comentário(s) início ::

O método Wolfowitz

© Desenho de Corrigan – The Toronto Star

“Uma nomeação assustadora”, diz a ONG World Development Movement. “Um absurdo”, para o porta-voz de Attac – Alemanha. “Uma escolha desastrosa, uma pessoa que pensa, antes de mais, nos interesses dos Estados Unidos, numa altura em que o desenvolvimento sustentável deveria ser uma prioridade”, palavras do porta-voz de Greenpeace International.
São algumas das reacções à escolha do neoconservador Paul Wolfowitz para a presidência do Banco Mundial. Este secretário adjunto da Defesa é, com efeito, mais conhecido pela forma como conduziu a guerra contra o terrorismo do que pelas suas competências nas questões de desenvolvimento.

Leia mais sobre as Críticas a Wolfowitz.

:: enviado por JAM :: 3/19/2005 09:29:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

sexta-feira, março 18, 2005

Leilões de trabalho

Um site Internet alemão propõe oferecer um emprego a quem aceitar o salário mais baixo. Em www.jobdumping.de, o feliz contemplado é aquele que concordar em ser o mais mal pago.
Que outras mais aberrações deste tipo serão ainda possíveis num país que conta com o número record de 5,2 milhões de desempregados?
E se a moda pega, no resto duma Europa à beira de adoptar a sua Constituição e com tendência para nivelar tudo pela situação mais desfavorável?

:: enviado por JAM :: 3/18/2005 10:26:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

A realidade e os simulacros

Noticia hoje o Público os desentendimentos entre vários organismos, decorrentes de um simulacro de ameaça de bomba numa escola secundária da Covilhã. Não traz qualquer novidade, há muito que nós conhecemos as inadequações da nossa cultura do protocolo e da inocência. Interessante mesmo é o último parágrafo:

"A Escola Secundária de Frei Heitor Pinto é frequentada diariamente por 610 alunos, 110 professores e 50 funcionários"

A minha pobre escola do 1º ciclo, no centro de cidade, é frequentada diariamente por 330 alunos, 16 professores e 5 funcionários.

Mas que interessa afinal a realidade?


:: enviado por RC :: 3/18/2005 08:44:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O trigo e o joio

Muito raramente consigo ler um artigo de opinião com mais de 500 palavras. O tempo de lazer é cada vez mais curto e os artigos a ler são cada vez mais numerosos. Assim, logo que me deparo com um que ultrapassa nitidamente esse volume, ataco-o em diagonal, se o seu autor for conceituado, ou então passo imediatamente ao artigo seguinte. Acho que, neste aspecto, os espaços de opinião dos jornais são um pouco como os blogs: como os leitores têm diariamente uma longa lista de favoritos para ler, esperam encontrar posts curtos, concisos e objectivos.
Por isso, quando dou comigo a ler, palavra por palavra, do princípio ao fim, um texto com mais de 1200 palavras, apetece-me repetir aqui, pelo menos as últimas 130:

[...] Quanto ao resto, ainda não reparei se o professor Marcelo já começou a criticar o novo Governo, se Freitas do Amaral já virou pró-americano, se Luís Delgado ainda continua a chorar pelo “Pedro”, se Eduardo Prado Coelho já desistiu de fuzilar o Luís Delgado e de promover, semana sim semana não, Manuel Maria Carrilho a qualquer coisa, e se Jaime Nogueira Pinto já começou a “refundar a direita”, com base nos valores defendidos pelo “doutor Salazar” – Deus, Pátria, Família – acrescentados de um quarto, de sua lavra: “A Propriedade!”
O que eu queria mesmo agora é que chovesse sobre nós. Uma chuva densa, constante, dias a fio. Uma chuva que tudo lavasse, que devolvesse a esperança onde só há desilusão, que reanimasse todas as coisas verdadeiramente importantes. Uma chuva refundadora.

:: enviado por JAM :: 3/18/2005 01:13:00 da tarde :: 3 comentário(s) início ::

O novo romance de García Márquez sai hoje

Memória das Minhas Putas Tristes, o novo romance de Gabriel García Márquez, é hoje lançado pela D. Quixote, numa das maiores primeiras edições de sempre de um autor estrangeiro no mercado português, de 75 mil exemplares. Por ocasião da Feira Internacional do Livro de Frankfurt referimos aqui o lançamento do romance nas livrarias das principais capitais hispanófonas. Desde então, só em Espanha, já se vendeu um milhão de exemplares.
O nome do escritor colombiano, Prémio Nobel da Literatura de 1982, tem tristemente circulado pela Internet, associado à notícia de que teria contraído um cancro linfático e que estaria em estado terminal. O próprio escritor desmentiu, posteriormente que não se encontrava em estado terminal nem havia escrito o poema de despedida posto a circular.
Memória das Minhas Putas Tristes é o mais eloquente desmentido destas notícias. Conta a história de um velho solitário, apaixonado pela música clássica e cheio de manias, que relata as suas muitas aventuras sexuais, sempre a troco de dinheiro, e que nunca imaginara que, deste modo, encontraria o verdadeiro amor.

:: enviado por JAM :: 3/18/2005 11:27:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

Emigração de luxo

O Reino Unido está a recrutar professores portugueses do ensino secundário, com qualificação ou habilitação profissional para a docência e dispostos a trabalhar na região de Londres. Enquanto em Portugal todos os anos cerca de 30 mil candidatos ao concurso de professores não conseguem uma colocação, no Reino Unido vive-se exactamente a situação inversa. A falta de docentes tem obrigado o país a recrutar profissionais no estrangeiro.

:: enviado por JAM :: 3/18/2005 10:10:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

quinta-feira, março 17, 2005

Outros

Vives num mundo de outros
Onde o outro sem os outros, és tu!

Correlacionas o outro com o teu ser
E, no entanto, és também outro!

O teu conhecimento, depende do conhecimento dos outros
E o teu outro compreender é compreensível no mundo dos outros!

No fundo, um outro ser emana de ti
Uma outra vontade se refugia no teu íntimo!

Queres decidir…
E vês o teu outro confuso no espelho!

Sim… Conheces outros
Porque desconheces o teu outro!
E
O teu outro… és TU!


:: enviado por JS :: 3/17/2005 06:14:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Luz... 2





E tudo isto é obra do Homem!

:: enviado por JS :: 3/17/2005 06:01:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Luz... 1




E nada disto é obra do Homem...

:: enviado por JS :: 3/17/2005 05:31:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A miragem do Modelo Social Europeu

O patrão da confederação patronal francesa está furioso porque o governo decidiu aumentar os salários do sector público, quando tinha jurado não o fazer. É que, por efeito dominó, esta decisão vai pôr em situação difícil as empresas do sector privado, que vão ser obrigadas a acompanhar a tendência.
Estranho mundo este em que os lucros das empresas não param de aumentar, gastam-se rios de dinheiro em estúpidos sistemas de segurança e outros equipamentos supérfluos, subcontratam-se actividades só para despedir pessoal e reduzir a massa salarial, e a única coisa que não pode aumentar, nem sequer para acompanhar a inflação, são os salários.
É tanto mais estranho que, se o Primeiro ministro Raffarin decidiu agora descongelar os salários da função pública (e dos outros por acréscimo), não foi por achar que é urgente tomar medidas para evitar a crescente degradação do poder de compra dos trabalhadores, mas é simplesmente porque os franceses ameaçam, de dia para dia, transformar a sua contestação e a sua revolta num voto-sanção, e votar “não” no referendo à Constituição europeia. Daí o recuo.

:: enviado por JAM :: 3/17/2005 01:45:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

quarta-feira, março 16, 2005

Quanto custou?

Alguém é capaz de dizer quanto custou a "brincadeira" das deslocalizações de secretarias de estado? E já agora, quem é que vai pagar a factura?
A quem vamos nós chamar à responsabilidade? Será que os senhores responsáveis pelas decisões de deslocalizar continuarão a ter direito a servir politicamente este país? Gostaríamos, "for once", ver os responsáveis, por tais descalabros, pagar e bem caro por tudo o que fizeram de errado - que sofram as consequências dos seus actos - isto é revoltante!

:: enviado por JS :: 3/16/2005 07:23:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Welcome to the jungle

Tendo como pano de fundo o referendo francês sobre a Constituição Europeia e o medo de o perder, o Sr. Chirac telefonou ontem ao Sr. Durão Barroso para lhe dizer que a directiva Bolkestein era inaceitável. “Our man in Brussels” respondeu que não queria saber para nada dos problemas franceses e que a directiva, no essencial, ficará como está.
A Directiva Bolkestein (que mais parece um titulo de filme de terror) vem do nome do antigo Comissário Europeu para o Mercado Interno, o holandês Frits Bolkestein. O ano passado o Conselho de Ministros pediu ao senhor que aprontasse uma Directiva para aplicar o principio da livre circulação ao mercado dos serviços. O resultado é um texto complexo e cheio de alçapões (como é hábito) com um princípio que é agora o centro da discórdia : o princípio do país de origem.
Este principio significa que a legislação a aplicar é a do país de origem do prestador de serviços e não a do país onde os serviços são prestados. Ou seja, se eu contratar um canalizador a uma empresa, digamos da Letónia, o seu salário, férias, folgas, etc. serão de acordo com a lei em vigor na Letónia e não com a lei portuguesa. Em caso de problemas não é muito claro a que legislação se deve recorrer. Respeitando o espirito da Directiva, seria um tribunal de Riga a julgar o caso.
Estão a ver as possibilidades ? Pego na minha empresa de construção civil e enfio a sede no país que tenha a legislação laboral mais conveniente. A partir daí posso enviar os meus trabalhadores portugueses; ou cabo-verdianos; ou ucranianos; ou o que fôr; para qualquer país da UE a preços que desafiam toda a concorrência. Depois de ganhar dois ou três concursos, os meus concorrentes, que não são parvos, farão a mesma coisa e teremos no final uma Europa em que os direitos sociais se alinharão pelo menor denominador comum.
Welcome to the jungle.


:: enviado por U18 Team :: 3/16/2005 11:19:00 da manhã :: 2 comentário(s) início ::

terça-feira, março 15, 2005

Ainda os medicamentos

Já calculava. Agora as bombas de gasolina também querem vender medicamentos. Será que a noção de bom-senso se perdeu em Portugal ? e já agora porque não os cafés ? e os mercados ?
A menos que ... a menos que esta seja a ideia genial do PS para combater o desemprego: Imaginemos que a lei exige a presença de um técnico de farmácia nos locais de venda de medicamentos (como deveria ser). Como o desgraçado não pode trabalhar 16 horas por dia, também tem direito a férias e 2 dias de folga por semana, serão necessários, no mínimo, 4 técnicos para cada local. A ANAREC diz que tem 2000 postos o que daria, desde logo, 8000 novos postos de trabalho. Não sei quantos cafés haverá em Portugal mas serão, certamente, uns milhares. De novo, vezes 4, temos mais uns milhares de postos de trabalho. Se pensarmos nos mercados, nas discotecas, nas mercearias, nas repartições públicas, nas escolas, etc. verificamos que não só os 500000 desempregados desaparecerão rapidamente como ainda será preciso importar mão-de-obra. Agora só falta reciclar os desempregados em técnicos de farmácia (o que criará mais algum emprego na área da formação). Coisa de somenos, deve pensar o Sr. António Saleiro, porque para vender umas aspirinas qualquer um serve.

Agora mais a sério, não é por se liberalizar uma determinada actividade que esta tem, automaticamente, que se transformar numa selva (embora alguns teimem em confundi-las). O Estado não tem nada que proteger monopólios, o que não quer dizer que não possa (e não deva) estabelecer regras (já agora podia também rever a lista de medicamentos de venda livre). Neste caso concreto, não vejo qual é o problema de vender medicamentos, que já se podem comprar sem receita, em qualquer lugar, desde que haja por perto um profissional qualificado que nos possa esclarecer alguma dúvida.
Se a ANAREC pode assegurar essa presença nas bombas de gasolina, tudo bem. Se, como me parece, é só para ter mais uns lucros fáceis, obrigado mas já estamos servidos.




:: enviado por U18 Team :: 3/15/2005 06:54:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

Daqui do alto ...

Daqui do alto do meu poder, eu sou muitos...

INQUÉRITO

Os medicamentos de venda livre devem estar disponíveis nos supermercados?

Este inquérito foi suspenso devido à constatação de uma fraude na votação. Foram detectadas máquinas que contornavam o sistema de validação concebido para impedir a repetição do voto pela mesma pessoa e que votavam sistematicamente na opção NÃO.





:: enviado por RC :: 3/15/2005 06:30:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Darfur – o facto consumado

Mais de 180 mil pessoas morreram de fome e de doença no Darfur nos últimos 18 meses, números do coordenador dos socorros de urgência da ONU, Jan Egeland. Este balanço, de 10 mil mortos por mês, não conta com as pessoas mortas nos combates quotidianos, da guerra civil, nesta região do oeste do Sudão.
O Conselho de Segurança da ONU deverá brevemente adoptar uma resolução autorizando o envio de 10 mil soldados de manutenção da paz para o Darfur. Só que o texto ainda não foi votado devido às divergências entre os 15 membros do Conselho sobre as sanções a aplicar aos eventuais responsáveis por estes crimes de guerra, e sobre qual será a jurisdição competente para os julgar.
O mais certo é que, quando um dia se fizer justiça, não haverá nem uma só vítima viva para testemunhar.

Leia também O inferno do Darfur.

:: enviado por JAM :: 3/15/2005 09:41:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

segunda-feira, março 14, 2005

O regresso dos piratas

Um grupo de 35 piratas, armados até aos dentes, atacaram, este fim de semana, um navio indonésio carregado de produtos químicos inflamáveis, no estreito de Malaca, entre a Malásia e a Indonésia. O objectivo foi “apenas” o rapto do comandante e do engenheiro-chefe, que prometeram libertar contra o pagamento de um resgate.
Os actos de pirataria são cada vez mais frequentes nesta região do globo e, apesar de serem também cada vez mais audaciosos, visam apenas o dinheiro fácil. Preocupante, é a circunstância deste tipo de navios, carregados de combustíveis altamente inflamáveis, serem autênticas bombas flutuantes, que se manobram com a maior das facilidades para dentro de qualquer porto.
O pequeno passo para que um atentado com consequências terríveis possa vir a acontecer, num acto deste tipo, é apenas que os piratas sejam também terroristas. Ou então, que decidam, um dia, vender a bomba flutuante a um qualquer grupo terrorista.

:: enviado por JAM :: 3/14/2005 10:31:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Por Lisboa

O blog “Por Lisboa” acabou hoje. Com o regresso de Santana Lopes à Câmara de Lisboa, diz que deixou de ter razão de existir. É pena. Acho que agora, mais do que nunca, é que tinha razão de existir. Pelo menos poderíamos ter algumas “inside stories” directamente da fonte.
Por outro lado, não sei se Santana Lopes merecia um blog inteiramente dedicado a dizer mal dele. Eu cá, se tivesse um blog só a dizer mal de mim, considerava-me importante. E Santana Lopes não se considera importante ...


:: enviado por U18 Team :: 3/14/2005 10:19:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Pergunta de um leitor...

Alguém sabe responder???

“Há medidas a tomar, sabemo-lo bem, mas... com este começo, não vejo bom fim!!!
Deixo uma pergunta: porque razão não se abrem as FARMÁCIAS HOSPITALARES ao público? Sabendo nós o "lucríssimo" que as farmácias dão, não poderia estar aqui um modo de, vendendo mais barato (menor margem de lucro), financiar o SNS?!!!”

:: enviado por RC :: 3/14/2005 07:50:00 da tarde :: 4 comentário(s) início ::

Promessas e mais promessas

A Comissão para a África, instituída pelo Primeiro ministro britânico, Tony Blair, entregou finalmente o seu relatório este fim de semana. A Comissão é constituída por 17 membros, maioritariamente africanos, entre os quais o Primeiro ministro da Etiópia, e conta também com o músico activista Bob Geldof. O relatório está cheio de boas ideias sobre aquilo que os países ricos podem fazer para ajudar o continente africano. Mas, uma coisa é certa, a África vai continuar a ser pobre até que os povos consigam expulsar todos os sistemas de corrupção e os respectivos governos medíocres.
O documento é convincente e honesto. Por um lado, os dirigentes africanos devem acabar com a corrupção, prestar contas às respectivos populações, através de orçamentos mais transparentes, criar um clima propício ao investimento, levantar as barreiras comerciais entre os países e abolir as taxas que os pobres têm que pagar para aceder à saúde e à educação.
Por outro lado, os países ricos devem duplicar as ajudas, suprimir os subsídios (à sua própria produção interna) e as taxas (sobre os produtos provenientes de África), anular a dívida, controlar o tráfico de armas para África e, sobretudo, as transacções duvidosas dos dirigentes africanos.

:: enviado por JAM :: 3/14/2005 12:34:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Lista do supermercado

Uma caixa de aspirinas, bananas, Guronsan, bifes ... esta pode ser , brevemente, a nossa lista de compras se o Governo conseguir fazer passar a venda, nos supermercados, de medicamentos que não necessitam de receita médica.
Não tenho nada contra. Já há tanta coisa perigosa que se vende nos supermercados, mais uma menos uma ... E se esta medida fizer baixar o preço dos medicamentos, ainda bem.
Claro que o lobbi das farmácias já se começou a mexer, com o discurso do costume: “perigo para a saúde pública”, “ausência de aconselhamento especializado”, etc.
Mais que não seja, esta medida tem o mérito de testar até que ponto o Governo está disposto a combater os lobbies e que força tem para os contrariar.
É um bom começo, embora a mim me pareça que seria mais útil acabar com o monopólio da propriedade e permitir a abertura de uma farmácia a qualquer pessoa e em qualquer lugar (desde que assegurado o controlo técnico, evidentemente).


:: enviado por U18 Team :: 3/14/2005 12:13:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

domingo, março 13, 2005

Putativos candidatos

Mota Amaral lança-se na corrida presidencial. Em Madrid, Cavaco e Guterres falaram, sem falar, da sua candidatura presidencial. Fala-se de Marcelo e de Vitorino. Se estes putativos candidatos se confirmarem, acham mesmo que precisam de ler o livro do José Gil para perceber porque é que o país está assim ?


:: enviado por U18 Team :: 3/13/2005 11:29:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Vá a Vila Viçosa

Cento e setenta miniaturas de penicos, é obra. Vá a Vila Viçosa...>>>

:: enviado por RC :: 3/13/2005 09:48:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Por que não comentamos futebol...

"O presidente do Comité de Arbitragem da UEFA, o alemão Volker Roth, responsabilizou o treinador português José Mourinho pelo súbito abandono do árbitro sueco Anders Frisk, que deixou o futebol após várias ameaças de morte. Um dia depois de Frisk ter anunciado a inesperada decisão, temendo pela vida da família, Volker Roth não poupou o técnico do Chelsea, lembrando as duras críticas de Mourinho ao trabalho de Frisk no recente encontro entre FC Barcelona e o clube londrino, para a Liga dos Campeões. "Não podemos aceitar que um dos nossos melhores árbitros seja forçado a retirar-se porque recebeu ameaças de morte. Pessoas como Mourinho são inimigas do futebol", acusou Roth [...]"

E o senhor Roth que se cuide, vêm aí os russos...

:: enviado por RC :: 3/13/2005 09:39:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O Professor...

Ouvi a nova contratação da RTP. Nada de novo...

:: enviado por RC :: 3/13/2005 09:37:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O mistério dos Portas

Está finalmente esclarecido um dos enigmas da política portuguesa: porque é que o Paulo é do PP e o Miguel do BE.
Ouvi ontem, no “Eixo do Mal” da SIC Notícias, um excerto do livro da Helena Sacadura Cabral “Querida Menopausa” (!?) (escrito a quatro mãos com a Rita Ferro) em que a senhora explica como no dia 25 de abril de 1974 os dois filhos saíram de casa (contra as suas ordens) para ver a Revolução. Acontece que o Paulinho foi apanhado por um amigo e recambiado para o lar (não sei se pela orelha) enquanto o Miguel conseguiu ver tudo até ao fim.
Tenham cuidado com o que deixam ou não deixam ver aos vosso filhos. As consequências podem ser terríveis.





Serão eles, antes de o Paulo ser apanhado ?

:: enviado por U18 Team :: 3/13/2005 05:43:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

AR PURO no Briteiros

O AR PURO do Briteiros é português.

Example


:: enviado por RC :: 3/13/2005 02:24:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Estamos condenados...

Ele é o ar que respiramos, a água que bebemos, os alimentos que consumimos, os medicamentos que utilizamos no alívio de maleitas várias...
Estamos condenados!
Elas são as neoplasias, os linfomas... enfim o malfadado cancro.
Estamos condenados!
Abrimos o jornal e, em menos de três páginas, descobrimos que, seja o estireno (composto orgânico químico presente no fabrico de plásticos), seja a acrilimida (composto químico que provoca o cancro e se encontra presente nas batatas fritas), sejam os cremes que utilizamos para aliviar eczemas vários (alergias da pele ligadas às várias agressões físicas a que nos encontramos expostos diariamente), sejam as micotoxinas (toxinas que se formam nos cereais, como por ex. o arroz, e se desenvolvem sobretudo quando aqueles são armazenados por longos períodos de tempo), a menos que tenhamos um anjo da guarda extremamente zeloso pelo nosso bem estar, estamos condenados... triste, não é?!
E para aqui estamos todos às turras para ver qual de nós é melhor ou pior nisto ou naquilo... e criticamos, e inventamos intrigas, e surrealizamos uma realidade já de si suficientemente conturbada!
Estamos condenados...

:: enviado por JS :: 3/13/2005 09:40:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

sábado, março 12, 2005

O retrato


"Depois mando-lhe o resto dos retratos, tá bem ?"

:: enviado por U18 Team :: 3/12/2005 11:31:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O referendosito

No discurso de tomada de posse, o Eng. Sócrates disse querer que o referendo sobre a Constituição Europeia se realize em simultâneo com as eleições autárquicas.
Parabéns Eng. Sócrates ! Vejo que assimilou bem aquele provérbio do “dois coelhos com uma cajadada”. Por um lado assegura uma participação “jeitosinha” no referendo, podendo assim mostrar ao resto da Europa o quanto os portugueses estão motivados para estas questões europeias. Por outro evita que se discuta seriamente a Constituição Europeia, quando toda a gente estiver entretida com o folclore de Santana Lopes em Lisboa ou com a zanga entre Rui Rio e o FCP.
Se não está minimamente interessado em que se fale do assunto, para quê fazer-nos perder tempo a pôr mais uma cruzinha ? Não seria melhor aprovarem a coisa no recato da Assembleia, com transmissão em directo nesse campeão de audiências que é o Canal do Parlamento ? e já agora, se a ideia é poupar os parcos recursos do país, porque não fazer ao mesmo tempo o referendo sobre o aborto ? ou sobre a regionalização ? ou mais uns quantos que até lá lhe ocorram ?
No fundo, é capaz de ter razão. Afinal trata-se apenas de um referendo para nos pronunciar-mos sobre que tipo de Europa queremos. Questão sem importância, claro.
Parabéns Eng. Sócrates! Começa bem ...

"Eh pá, ganda ideia que eu tive !
Só quero ver a cara do Zapatero quando vir a nossa taxa de abstenção ..."

:: enviado por U18 Team :: 3/12/2005 10:23:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Podem esperar sentados?

Nisto da política, onde a aparência e o subentendido valem mais que a realidade, tudo é feito com uma intenção, com uma mensagem. Os ex-governantes do PPD/PP assistiram sentados à tomada de posse do novo governo.
Será que a mensagem foi que bem podem esperar sentados?

:: enviado por RC :: 3/12/2005 03:22:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A guerra das rosas

As mulheres não fazem ideia da dificuldade que é formar um governo. Para se ser do Governo é preciso haver confiança e confidencialidade, ora, como é sabido, as mulheres não são de confiança, nem sabem guardar um segredo. Para além disso, as mulheres do PS são incompetentes, pelo que cabe ao Departamento Nacional das Mulheres Socialistas proceder urgentemente a uma campanha de recrutamento para conseguir verdadeiros talentos femininos para o partido.

:: enviado por JAM :: 3/12/2005 01:35:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

sexta-feira, março 11, 2005

Hamster melómano

Na cidade alemã de Bremen, a polícia arrombou a porta de um apartamento por suspeita de que o proprietário pudesse estar morto. Os vizinhos queixavam-se que a música não parava há cinco dias e ninguém respondia quando se batia à porta.

Veio a saber-se que não estando o dono em casa, a pessoa encarregada de o alimentar tinha pensado que o animal se sentiria menos só se tivesse a companhia de uma musiquinha bem batida. Não é só na América...

Leia ...>>>

:: enviado por RC :: 3/11/2005 05:42:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Socialismo do século XXI

O maior inimigo de George W. Bush não é iraniano, nem norte-coreano, nem sírio. Chama-se Hugo Chávez e é o actual presidente da Venezuela. O seu projecto é libertar a América latina, pela construção duma força de esquerda capaz de contrabalançar o imperialismo e o capitalismo imposto pelo seu inimigo número um. O objectivo é fundar um novo modelo de socialismo, baseado na “revolução do petróleo”, que consiste em transformar o dinheiro do petróleo em habitações, maquinas agrícolas e em tudo aquilo que os petrodólares possam comprar e que faça falta aos mais pobres.
Estrategicamente, segundo o anúncio feito esta semana em Paris, Hugo Chávez pretende ir mais longe do que a já criada aliança energética Petrosur, e criar ainda uma cadeia de televisão (Telesur), alternativa à CNN, e um fundo monetário sul-americano, como contrapeso à hegemonia do FMI.
Trata-se duma verdadeira força alternativa que o presidente Chávez quer criar na América latina, em defesa dum mundo multipolar socialista, contra o modelo bipolar capitalista. Segundo ele, não se trata de copiar nenhum modelo anterior de socialismo, mas sim de inventar um novo modelo que possa responder às grandes preocupações do nosso tempo.

:: enviado por JAM :: 3/11/2005 02:37:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

11-M


Há dias assim que nos ficam para sempre na memória. Sei exactamente onde estava e o que fazia no 25 de Abril, no 11 de Setembro e em mais alguns. O 11 de Março de 2004 é também um desses dias. O horror das imagens à chegada ao escritório. A preocupação de saber como estavam os amigos em Madrid. Os telemóveis que não funcionavam. A contagem dos mortos.

Faz hoje um ano que a barbárie atacou em Madrid. Simples: 10 ou 15 excrementos da raça humana ajudados por outros tantos, menos de 150 quilos de explosivos, uns tantos telemóveis e quatro carruagens desfeitas, 191 mortos, centenas de feridos e um país em estado de choque.
Três dias depois havia eleições democráticas e, provavelmente, o massacre mudou o sentido de voto a muita gente, mudando ao mesmo tempo a cor do governo (muito ajudado, diga-se de passagem, pela imbecilidade com que o governo de Aznar geriu a crise). Que gostemos mais de um governo espanhol de esquerda ou de direita é uma questão de opinião. O que não é uma questão de opinião é que o sentido de voto possa ser mudado por um ataque terrorista. Significa que a chantagem é eficaz e que o terror funciona. Preocupante. (Segue aqui ...)

:: enviado por U18 Team :: 3/11/2005 08:35:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

quinta-feira, março 10, 2005

A nova padeira de Aljubarrota (e, ainda por cima, loura)

A directora da revista de domingo do JN, Isabel Stilwell, deu, no domingo passado, largas à sua “loirice”. Não basta ser inteligente (e eu nem sei se a senhora o é...), é necessário que também se pareça sê-lo... e não é o caso. A sra. directora esteve “uma semana rodeada de nuestros hermanos”, como ela conta, e foi o suficiente para pôr em letra de forma cobras e lagartos sobre eles. “A principal conclusão é a de que realmente é uma felicidade não sermos espanhóis”, começa por dizer a senhora. E depois expõe os porquês. A saber: “O castelhano é uma lingua de trapos e quando + de 2 autóctones se juntam, a algazarra é de furar os tímpanos”, “(...) a forma como são capazes de reduzir a farrapos qualquer um dos nossos magnificos vocábulos é de partir o coração”, f ...-se. Mais: “Temos também a questão da boa educação ou, melhor dizendo, das boas maneiras”, c...lho! Segue-se a saúde: “Ao entrar num posto de atendimento, prepare-se para encontrar tudo o que encontra num luso, inclusivamente e sobretudo os médicos e enfermeiros espanhóis (...)” Finalmente, o broche de ouro (da loura e lusa prosa): “Os espanhóis já são assim de pequeninos”. O ideal é ler o artigo todo - esta pérola de lusa e loura cultura é imperdível. Eu cá não sei que mundo tem a senhora, se é ou não saudosista de outra época em que as coisas estavam definidas, pão-pão queijo-queijo, e sabiamos todos desde o berço (e sem nunca lá ter ido) que de Espanha nem bom vento nem bom casamento; se alguém eventualmente lhe paga para escrever estas coisas; se, inclusivé, a senhora é loura natural, platinada, ou usa peruca. O que sei é que este tipo de discurso revela que também a letra impressa muitas vezes se faz eco do pior que o nosso país tem: esta saloice (é o termo!) não é nem de direita (pelo menos de uma direita civilizada, se é que isso existe) nem de esquerda, não é boa nem é má, é ...isso mesmo: a merda onde continuamos a afundar-nos, com a mania que somos ou os maiores ou os mais pequenos, balançando entre o xico-esperto e o zé-povinho.
Que culpa têm os espanhóis de sermos como somos? Não fomos nós que, em 1640, lhes pusémos as malas à porta, vai para 400 anos?!... Pobre país que ainda tem gente desta a dirigir uma revista de um jornal sério. Se isto é ser português, eu cá, como o Almada Negreiros, quero ser espanhol.
P. S.: Peço desculpa ao Fernando Rocha (esse outro português que não sei se hei-de incluir na ínclita geração ou na geração rasca) pela utilização de 2 dos “magnificos vocábulos” que já são a sua imagem de marca. Espero tê-los usado com propriedade.


:: enviado por Manolo :: 3/10/2005 09:24:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Sinais dos tempos

Fez história a recente “externalização” dos serviços de água e saneamento de Vila do Conde, na sequência da entrega, pela Câmara, da respectiva concessão à empresa privada “Indáqua”. Fez também correr muita tinta, a entrega do último concurso de colocação dos professores à empresa privada “Compta”, com as conhecidas trapalhadas que isso gerou. Todas estas histórias são sinais dos tempos e a tendência, a nível mundial, de todas as empresas e administrações, é a concentração sobre o seu chamado “núcleo duro”, para deixar a outros, que, aparentemente, o sabem fazer melhor de que elas, o trabalho restante. Caricaturámos aqui este tipo de situações.
Não é pois de admirar que o Ministério do Interior americano, tenha decidido transferir os prisioneiros da CIA para outros países, especializados em “interrogatórios duros”, para aí serem torturados. O Washington Post refere que, para isso, a CIA dispõe de dois aviões, entre os quais um Boeing 737, para efectuar o transporte dos prisioneiros para os “destinos de tortura”.
Esta externalização dos interrogatórios é uma das consequências do aumento da margem de manobra de que beneficia a CIA desde os ataques do 11 de Setembro de 2001. Os fornecedores de serviços de tortura, citados pelos jornais americanos, são a Jordânia, Marrocos, o Afeganistão, o Iraque, o Egipto, a Arábia Saudita, a Líbia, a Síria, o Paquistão e a famosa baía de Guantanamo.
Esta medida, extremamente prática, permite ainda iludir a vigilância das organizações humanitárias, como a Amnistia Internacional.

:: enviado por JAM :: 3/10/2005 10:49:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

quarta-feira, março 09, 2005

Vai pela despesa ou pela receita?

O que é que prefere :
1. Aumento dos impostos, nomeadamente do IVA ;
2. Redução no cálculo das pensões e aumento da idade da reforma ;
3. Redução dos consumos da saúde, nos hospitais e centros de saúde, e menor comparticipação do Estado nos medicamentos ;
4. Redução dos salários da Função Pública e introdução da remuneração por objectivos.

Estas são as escolhas de Daniel Bessa para atacar os grandes problemas da nossa dívida pública. E você? Qual é que prefere? Qual destas sugestões daria ao Ministro Campos e Cunha?

:: enviado por JAM :: 3/09/2005 10:02:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Vamos prender os burros?

Em Bogotá, na Colômbia, o burro Pacho foi preso. Segundo fontes policiais, esse é um procedimento usual uma vez que todos os veículos envolvidos em acidentes, com feridos, são sempre retidos pela polícia para futura análise pericial. De nada serviu a Nelson Gonzalez dizer que o motociclista lhe tinha batido no burro por trás. Lei é lei e burro é veículo. Lá diz o velho ditado: Quando o mar bate na rocha, quem se **** é o burro...

Leia a notícia...>>>

:: enviado por RC :: 3/09/2005 09:30:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Aveiro na vanguarda

Aveiro

Aí está o meu primeiro post com cheiro a campo e chiadeira de construção. Estacionado em frente ao Centro de Congressos de Aveiro, saúdo a blogosfera em mobilidade agradável.
Plano de água e parque, net gratuita e fim de tarde agradável. Foto só logo à noite quando "revelar" o "rolo digital".
Ah! Maravilhoso Mundo Novo...

:: enviado por RC :: 3/09/2005 04:28:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Teste os seus conhecimentos de literatura universal

Quando Gao Xingjian ganhou o Prémio Nobel, quem foi que disse: «é um francês e não um chinês. A razão porque ele ganhou é mais política do que literária.» Escolha a resposta entre: o governo chinês, a associação dos escritores chineses, a academia francesa ou a academia sueca.
Outra pergunta: Yukio Mishima, o mais famoso escritor japonês do pós-guerra, suicidou-se em 1970. Por que método? E ainda: durante os dezoito meses que Gabriel García Márquez passou a escrever os “Cem Anos de Solidão”, como é que conseguiu pagar os seis maços de cigarros por dia de que precisava?
Por ocasião do inglesíssimo “World Book Day 2005”, o diário britânico “The Guardian” propões um concurso em linha sobre literatura mundial em vinte e nove questões. Interessado(a) em testar? >>>

:: enviado por JAM :: 3/09/2005 03:49:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

terça-feira, março 08, 2005

8 de Março, depois de 7 e antes de 9

No dia internacional da mulher, quero aqui lembrar algumas, ao correr da pena. A jornalista do Il Manifesto que ia sendo assassinada pelo Império no Iraque. A madre Lúcia que, há dias, foi libertada do seu cativeiro. A Edite Estrela, coitada, de quem o Eng.º não se lembrou na altura de fazer os convites. A Camila que, como se já não bastasse o que basta, ainda vai passar o resto dos seus dias (e noites) na Corte com o ex-amante-futuro-marido. A senhora da limpeza que trabalha no mesmo sítio que eu e não tem dinheiro para pôr os dentes que lhe faltam (quase todos). A cigana que insiste em me ler uma sina pela qual, se calhar, eu passei ao lado. A desconhecida que, de manhã, quando eu não vou lá tão bem disposto como isso, depois de me ter arrancado da cama para mais um dia de “Arbeit macht Frei”, passa por mim e sorri para um terceiro qualquer, deixando-me a mim uma luzinha cá dentro e a convicção que, afinal, vale a pena. A Meg Ryan, com aquele ar gaiato, que poderia ter sido minha namorada (noutra dimensão?) e não foi. Como diria o outro, elas são a metade do céu. .

:: enviado por Manolo :: 3/08/2005 09:06:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Os jovens e a morte nas estradas

Viver em velocidade alucinante é hoje motivo de preocupação de toda a sociedade civil.
Paremos e pensemos...

:: enviado por JS :: 3/08/2005 10:49:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

Dia Internacional da mulher

Nos países desenvolvidos, o retrocesso nas políticas sociais, a precariedade no trabalho e a perda de direitos, fruto do discurso neoliberal e da ineficiência do Estado, atingem de forma especial as mulheres. O sexismo mantém-se como uma força ideológica, apesar do discurso oficial da igualdade. A exclusão das mulheres dos lugares de decisão política verifica-se na esmagadora maioria dos países e das forças políticas. A paridade, mesmo quando surge no papel, raramente é alvo de medidas para passar à prática. O Governo português, recentemente criado, é disso um exemplo flagrante.
A violência doméstica ganha visibilidade e faltam as casas abrigo, e as linhas de atendimento e de acompanhamento das mulheres. Fala-se de direitos sexuais e reprodutivos como direitos humanos, mas faltam as medidas para implementar a educação sexual nas escolas. A contracepção de emergência não está activada nos centros de saúde e a informação não existe. É preciso renovar o debate público sobre a despenalização do aborto. As mulheres que abortam de forma insegura e clandestina continuam a sentir a hipocrisia dos políticos no poder.
Em suma, é preciso defender, com lucidez, uma verdadeira emancipação da humanidade, que é constituída por homens e mulheres.

:: enviado por JAM :: 3/08/2005 12:37:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

Precaridade laboral das mulheres

As mulheres representam mais de metade dos desempregados da União Europeia, ocupam a maioria dos trabalhos precários e ganham menos do que os homens. Há discriminações no acesso das mulheres a um emprego de qualidade e em muitos países são insuficientes os serviços de apoio à família, designadamente para a guarda de crianças, de forma a ser possível conciliar vida familiar e profissional.
Este diagnóstico crítico da situação social na Europa – que inclui o emprego, exclusão social e pobreza, falta de oportunidades de formação e discriminação entre homens e mulheres – e as medidas preconizadas, não agradaram aos eurodeputados da ala direita do Parlamento Europeu, tendo o relatório sido aprovado por escassa margem (22 votos a favor e 17 contra) na Comissão do Emprego e dos Assuntos Sociais.
Ilda Figueiredo, autora do relatório, defende que os grupos socialmente desfavorecidos – como as mulheres, imigrantes e pessoas que vivem abaixo do limiar da pobreza – devem constituir os beneficiários privilegiados da formação ao longo da vida.
in Público.

:: enviado por JAM :: 3/08/2005 12:14:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

segunda-feira, março 07, 2005

Os Checkpoints assassinos


© Desenho de Schneider - Tageblatt

Documentos do exército americano revelam que a terceira divisão de infantaria - à qual pertencem as tropas responsáveis pela morte do agente secreto italiano Nicola Calipari - esteve envolvida noutros casos de disparos contra civis. Segundo esses documentos, vários soldados, interrogados por inquiridores militares, afirmaram ter disparado sobre civis, matando mulheres e crianças, em circunstâncias semelhantes às de sexta-feira passada: um carro que se aproxima de uma barragem militar.
O New York Times ataca violentamente os enganos do exército americano no Iraque e denuncia os perigos que esperam milhares de iraquianos nos pontos de controle montados pelos soldados americanos, assustados pela ameaça de atentados suicidas. Desde o escândalo de Abu Ghraib, nenhum outro aspecto da ocupação americana havia provocado tanta indignação e revolta nos iraquianos.

:: enviado por JAM :: 3/07/2005 06:16:00 da tarde :: 3 comentário(s) início ::

AR PURO no Briteiros

O AR PURO do Briteiros é português.

Example
Visite o Museu Abel Manta
Gouveia, Portugal

Site recomendado: http://www.ci.uc.pt/artes/6spp/index.html


:: enviado por RC :: 3/07/2005 04:58:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Começaram as perguntas difíceis

Bruxelas quer que Sócrates explique até Abril como vai cumprir o pacto de estabilidade e crescimento do euro (PEC).

:: enviado por JAM :: 3/07/2005 04:45:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Rabinos contra a existência de Israel

No passado dia 24, na sala de conferências do hotel Safir Heliopolitan, nos arredores de Beirute, teve lugar uma cena raríssima: a presença, lado a lado, de representantes do Hamas, de deputados iranianos e palestinianos, de representantes do Hezbollah e... de cinco rabinos vindos dos Estados Unidos e da Grã-Bretanha, convidados para o fórum organizado pela União Internacional para a Defesa da Causa Palestiniana. Os cinco judeus ultraortodoxos traziam consigo uma mensagem de condenação do sionismo.
Estamos aqui para corrigir a ideia espalhada no mundo inteiro segundo a qual árabes e judeus estão em conflito. É um erro trágico! Nós vivemos juntos, durante milhares de anos, em paz e harmonia. Foi o sionismo que criou, há uns cem anos, esta ruptura entre judeus e árabes. Ora o sionismo é diametralmente oposto do judaísmo. Foram declarações de Yisroel Dovid Weiss, um rabino do Estado de Nova Iorque, que acrescentou ainda: O Estado de Israel deverá ser desmantelado, pois é essa a via prescrita por Deus. A terra deverá ser devolvida aos palestinianos, e estes devem poder voltar para as suas terras. Vamos estudar e rezar para que isso aconteça um dia. Oslo não funcionou, nem funcionará, porque Deus proíbe o estabelecimento de um Estado judeu.
Em resposta, um dos participantes do Hezbollah declarou:
Nós não temos nada contra os judeus enquanto povo e religião. Opomo-nos aos sionistas como representantes de um pensamento racista visando submeter os palestinianos. Mas os judeus pertencem a uma religião divina e são uma comunidade como qualquer outra, que respeitamos e com a qual poderemos coexistir.

Eis a notícia publicada pela Arouts-7, a gazeta dos colonos franceses em Israel, na respectiva terminologia local (a fazer lembrar o tempo em que nós chamávamos terroristas aos movimentos de libertação das nossas ex-colónias africanas).

:: enviado por JAM :: 3/07/2005 12:03:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

domingo, março 06, 2005

Diogo Freitas do Amaral III

No dia em que a fotografia passar para a sede do PCP vamos ter que pedir asilo político a alguém.

:: enviado por RC :: 3/06/2005 10:28:00 da tarde :: 3 comentário(s) início ::

Diogo Freitas do Amaral II

Lembram-se que, em 1974, o partido mais à direita, do nosso espectro político-partidário, era o Centro Democrático Social? Pois bem, Freitas do Amaral não deslizou progressivamente para a esquerda. Está onde sempre esteve, fiel a si mesmo, desde o dia 25 de Abril de 1974 – no centro. A questão é que, com o deslizamento, mais que tectónico, de todos os partidos tendencialmente para a direita, incluindo os trotskistas, Freitas encontra-se agora à altura do PS.
É por isso que Freitas do Amaral é um verdadeiro marco de referência do panorama político-partidário português.

:: enviado por JAM :: 3/06/2005 10:01:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Diogo Freitas do Amaral

Até onde pode chegar a patetice. Devolver uma fotografia, parece de namorados com arrufos. A foto de um antigo líder partidário, na sede do seu antigo partido, mais não é que uma referência histórica. Não é bom apagar a história. Por outro lado importa notar que é original o deslizar progressivo de Freitas, da direita para a esquerda. Original e refrescante num tempo em que tantos vão escorregando sorrateiramente da esquerda para onde lhes mais convém.

Parece-me salutar que o Eng.º Sócrates tenha incluído no seu governo personalidades "independentes". Veremos com o tempo se são "independentes" à esquerda ou à direita. Ao contrário do que muitos pensam, não é tão difícil assim distinguir. Não se faz pelo corte dos fatos nem pelos tiques dos discursos. Pelas obras, pelo quotidiano se verá. Aos senhores ministros que lêem este blog tenho uma coisa a dizer. Aos que agora cessam funções, de todos os lugares disponíveis, haverá alguém que dirá "quaisqueres?", como repetiu à saciedade o quase ex-ministro dos negócios estrangeiros em recente entrevista televisiva. Por essa razão e por outras pairarão sobre as cabeças inocentes dos portugueses durante os próximos quatro anos. Aos que agora vão iniciar funções só posso desejar que governem com honestidade, pondo aos serviço de todos o muito que já receberam da pátria.

Aliás, aproxima-se um teste claro das intenções e das tendências do futuro governo em que tantos põem a sua esperança e em que tantos acreditaram. É a questão dos impostos. Se, como parece inevitável, o governo tiver que aumentar os impostos, aumentará o IRS e o IRC se for efectivamente um governo com preocupações sociais. Se for pelo caminho fácil, injusto e contraproducente de aumentar o preço dos combustíveis, o IVA, o IA e quejandos, estará a iniciar um caminho que levará certamente ao encetar de uma política de cariz pouco social.

O caso do IRC é típico. Prometer baixar um imposto que ninguém paga, pelo que é efectivamente já de zero para muitas empresas, afirmando que isso iria ter um efeito positivo no investimento, foi seguramente a patranha mais ridícula que tantos portugueses engoliram nos últimos anos. Basta perguntar aos industriais...

Acima de tudo é importante que, ao lermos o futuro programa de governo, encontremos aí espelhado o programa eleitoral. Vamos a isto!

:: enviado por RC :: 3/06/2005 08:17:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

I ♥ Camilla Parker Bowles

Na sexta-feira fui ao médico e, como é hábito, aproveitei o tempo de espera para me actualizar em assuntos de revistas cor-de-rosa. Li um magnífico artigo a desancar na Camilla. Tudo em que a senhora esteja envolvida é alvo de controvérsia. Agora até os selos. Não concordo. Eu gosto da Camilla e explico porquê:

1 – Fuma e bebe em público e não se importa nada com isso.
2 - Tem um tipo de beleza menos atractivo e não quer saber.
3 – Não quer ser Rainha de Inglaterra
4 – Diz o que pensa e é directa
5 – Nunca disse mal do ex-marido, nem da imprensa, nem da Corte, nem da Rainha
6 – Usa um tipo de vestuário menos conforme com os padrões da moda e não se rala
7 – Não faz caridade só para mostrar que é boazinha
8 - Parece gostar mesmo do Príncipe Charles embora não se perceba porquê
9 – Não anda, sem cinto, a 200 à hora pelas ruas de Paris para depois ficarmos com uma teoria de conspiração nas mãos.
10 – Domina todos os aspectos essenciais da monarquia inglesa : andar a cavalo, caçar raposas, jogar pólo.
11 – Não será rainha porque é divorciada e a Igreja de Inglaterra não quer. Podia ter dito, e não disse, que a Igreja de Inglaterra foi fundada exactamente para permitir o casamento de um rei divorciado.

Camilla by Martin O'Laughlin


:: enviado por U18 Team :: 3/06/2005 05:57:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Tráfico de obras de arte

O secretário-geral do CDS-PP anunciou que vai enviar, por correio, o retrato de Freitas do Amaral, que até agora se encontrava no Largo do Caldas, para a sede do PS, no Largo do Rato.

:: enviado por JAM :: 3/06/2005 05:50:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

sábado, março 05, 2005

A guerra da incompetência

Do hospital Cellio de Roma, para onde foi transportada, a jornalista italiana Giuliana Sgrena contou, numa entrevista pelo telefone, à RAI, como as forças militares americanas investiram disparando contra o carro em que viajava, quando se aproximavam ontem do aeroporto de Bagdade, deixando-a ferida e matando o homem que a libertara momentos antes: – Pensávamos que o perigo tinha passado depois da minha libertação, mas, de repente, ainda havia tiros e fomos atingidos por uma saraivada de balas.
Disse ainda que, no momento em que o ataque começou, Nicola Calipari, o agente secreto sénior designado para trabalhar na sua libertação, estava a contar-lhe o que tinha acontecido em Itália durante o tempo em que ela permaneceu em poder dos sequestradores.
– Ele debruçou-se sobre mim, provavelmente para me proteger. Depois caiu repentinamente e vi que estava morto – detalhou a jornalista.
O sentimento anti-americano está ao rubro, por toda a Itália.

:: enviado por JAM :: 3/05/2005 06:51:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::