BRITEIROS: Salazar <$BlogRSDUrl$>








segunda-feira, março 26, 2007

Salazar


© desenho de Bandeira

O mal-estar em relação a tudo isto não é culpa da RTP, mas sim de um regime democrático que nunca conseguiu criar uma grelha de valores sólidos e consensuais, nomeadamente quanto ao sentido da democracia e quanto à questão nacional. A história épica ensinada pela ditadura continua a ser o molde através do qual muitos portugueses olham para o passado. A democracia não fez melhor do que reinventar os Descobrimentos como base do espírito nacional. E, sobre temas tão complexos como a Guerra Colonial, preferiu manter o silêncio.

Salazar está bem menos vivo do que se pensa. Para as pessoas que nasceram nos anos 1970 ou 1980, nem pertence ao passado imediato. A pouco e pouco, o ditador deixa de existir na memória de pessoas concretas e torna-se um nome abstracto, impresso entre duas datas nos livros de História. Isto vale tanto para os saudosistas do fascismo como para os discursos construídos em torno da memória do combate à ditadura.

O problema é que, desaparecendo esta memória da história recente, fica apenas um vazio. E o drama do nosso tempo é precisamente esse: o de ter perdido o sentido da história. E, sem esse sentido, o passado torna-se um jogo em que Cunhal, Camões, Salazar ou D. João II valem o mesmo. A História tornou-se num mero concurso de televisão. E isso preocupa.

[Miguel Gaspar, DN/ 27.02.07]

Etiquetas: ,


:: enviado por JAM :: 3/26/2007 05:36:00 da tarde :: início ::
1 comentário(s):
  • Grandes portugueses são os tipos da Optimus. Lançaram um cartão, o PIONEIROS, em que falas a 0,027€ por minuto!
    Batam lá este feito!

    De Anonymous Rui Trevo, em março 26, 2007 7:47 da tarde  
Enviar um comentário