BRITEIROS: Contra a arrogância <$BlogRSDUrl$>








sábado, março 08, 2008

Contra a arrogância

Pela superioridade que representa frente ao rastejamento, não resisto a transcrever.
..............................................

Carta Aberta ao Senhor Ministro dos Assuntos Parlamentares


Exmº Senhor Ministro Augusto Santos Silva,

Venho por este meio informá-lo que me sinto insultado pelas suas afirmações proferidas ontem à noite, em Chaves e dadas hoje à estampa na comunicação social escrita.

Foi o comunista do meu pai, Sérgio Vilarigues, que esteve preso 7 anos (dos 19 aos 26) no Aljube, em Peniche, em Angra e no campo de concentração do Tarrafal para onde foi enviado já com a pena terminada. Que foi libertado por «amnistia» em 1940, quatro anos depois de ter terminado a pena. Que passou 32 anos na clandestinidade no interior do país, o que constitui um recorde europeu. Não foi ao seu pai, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a comunista da minha mãe, Maria Alda Nogueira, que, estando literalmente de malas feitas para ir trabalhar em França com a equipa de Irène Joliot-Curie, pegou nas mesmas malas e passou à clandestinidade em 1949. Que presa em 1958 passou 9 anos e 2 meses nos calabouços fascistas. Que durante todo esse período o único contacto físico próximo que teve com o filho (dos 5 aos 15 anos) foi de 3 horas por ano (!!!). Que, sublinhe-se, foi condecorada pelo Presidente da República Mário Soares com a Ordem da Liberdade em 1988. Não foi à sua mãe, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a mãe das minhas filhas, Lígia Calapez Gomes, quem, em 1965, com 18 anos, foi a primeira jovem legal, menor (na altura a maior idade era aos 21 anos), a ser condenada a prisão maior por motivos políticos – 3 anos em Caxias. Não foi à sua esposa, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi a minha filha mais velha, Sofia Gomes Vilarigues, quem até aos 2 anos e meio não soube nem o nome, nem a profissão dos pais, na clandestinidade de 1971 a 1974. Não foi à sua filha, e ainda bem, que tal sucedeu.

Fui eu, António Vilarigues, quem aos 17 anos, em Junho de 1971, passou à clandestinidade. Não foi a si, e ainda bem, que tal sucedeu.

Foi o caso do primeiro Comité Central do Partido Comunista Português eleito depois do 25 de Abril de 1974. Dos 36 membros efectivos e suplentes eleitos no VII Congresso (Extraordinário) do PCP em 20 de Outubro de 1974, apenas 4 não tinham estado presos nas masmorras fascistas. Dois tinham mais de 21 anos de prisão. Com mais de 10 anos de prisão eram 15, entre eles Álvaro Cunhal (13 anos).

São casos entre milhares de outros (Haja Memória) presos, torturados e até assassinados pelo fascismo. Para que houvesse paz, democracia e liberdade no nosso país.

Para que o senhor ministro pudesse insultar em liberdade. Falta-lhe a verticalidade destes homens e mulheres. Por isso sei que não se retratará, nem muito menos pedirá desculpas. As atitudes ficam com quem as praticam.


Penalva do Castelo, 8 de Março de 2008

António Nogueira de Matos Vilarigues


:: enviado por ja :: 3/08/2008 08:52:00 da tarde :: início ::
2 comentário(s):
  • Texto de cortar a respiração; que pena criaturas como o Santos Silva não lhe apreenderem o significado! Nem se sentirem envergonhados se porventura o lessem.
    Não o conheço pessoalmente António Vilarigues mas permita-me um abraço fraternal. E um imenso obrigado a toda a família Nogueira/Vilarigues.
    José Manuel Calazans Duarte

    De Anonymous Anónimo, em março 09, 2008 4:05 da manhã  
  • O que se viu foi um bando a assobiar e a chamar fascista a quem ia a entrar para uma reuniao. Se isso nao irrita qualquer um...

    Se isso é lutar pela liberdade? Coagir outros e ser mal educado!

    Quem desrespeitou a memória dos lutadores pela liberdade, sao esses fanáticos que se colocam à porta das reunioes a assobiar. Bando mal educado.

    De Anonymous Ana, em março 09, 2008 2:02 da tarde  
Enviar um comentário