BRITEIROS: Eu obedeci a Cavaco e assisti às condecorações do 10 de Junho <$BlogRSDUrl$>








terça-feira, junho 19, 2007

Eu obedeci a Cavaco e assisti às condecorações do 10 de Junho

Que me desculpem os leitores: desta vez vou transcrever aqui uma crónica na íntegra. Título e tudo. Normalmente deveria fazer um resumo e deixar-vos o link para o texto original. Mas este, de tão genial, é irredutível. Leiam-no aqui por inteiro e depois... voltem a lê-lo no Diário de Notícias:

A Presidência da República disse que era importante. O Conselho de Administração da RTP admitiu que era importante. E eu sou uma pessoa que respeita muito as instituições nacionais. Por isso, no domingo, à hora de almoço, sentei-me em frente ao televisor para assistir às cenas que a RTP1 miseravelmente cortou durante a cerimónia do 10 de Junho. Durante 30 minutos, pude enfim apreciar a arte de Cavaco Silva a colocar fitinhas, a pendurar colares e a pregar medalhas. E tive de admitir: realmente, como é possível que uma estação de televisão prefira colocar no ar o Jornal da Tarde à hora marcada, em vez de mostrar em directo a atribuição da Ordem do Infante D. Henrique ao professor doutor Arsélio Pato de Carvalho? Não se percebe.

É que aquilo foi giro que se fartou. Sobretudo o pot-pourri de imagens que antecedeu a tão aguardada "cerimónia de investidura das entidades condecoradas": lanchas a navegar bravamente em alto-mar, marinheiros de fatinho branco engomado como nos filmes de Jean Genet, e finalmente o presidente Cavaco, de olho fito no horizonte, a andar pelas águas (salvo seja) numa embarcação modernaça. Tudo isto, sublinhe-se, acompanhado por uma bela música de boda matrimonial. Supimpa. Depois, já com um coro heróico a cavalgar o hino nacional, desembocámos nas condecorações, filmadas num elegante contraluz, certamente para não se ver a cara dos presentes. Tudo somado foram 37 os condecorados: 28 homens (militares, professores doutores, ex-ministros de Cavaco e o Rão Kyao), cinco mulheres (duas delas especialistas em línguas, como a esposa do Presidente) e quatro associações. Fui buscar a máquina de calcular: 76% de medalhinhas para homens, 11% para mulheres. Cavaco tinha razão: é importante transmitir estas cerimónias em directo, para que se veja o País que temos.

Mas há um problemito na exibição forçada da coisa, com uma semana de atraso. É que, no discurso do 10 de Junho, Cavaco garantiu ao povo, pela 16.ª vez, que “não se resigna”. Não se resigna a isto, não se resigna àquilo, não se resigna “à passividade perante os indicadores persistentes do nosso atraso”. Mas quando a RTP decide cortar as emissões, ao fim de três horas de desfiles, ele emite uma nota onde afirma ser “incompreensível que a transmissão das cerimónias haja sido interrompida, contrariando uma prática há muito estabelecida”. Ou seja, o homem que não se resigna aos velhos males portugueses exige que a RTP se resigne às suas velhas tradições, sustentando horas de transmissão de chachada pública. O senhor Presidente que me desculpe: não tem nada de melhor com que se entreter?

João Miguel Tavares

Etiquetas:


:: enviado por JAM :: 6/19/2007 10:10:00 da manhã :: início ::
1 comentário(s):
  • Essa atitude aberrante do PR, que apenas os branqueadores laranjas não reparam, tem o dedo de outra anormalidade: Fernando Lima, que chegou a ser o director/comissário político do PSD no Diário de Notícias.

    Depois desta alarvidade tipicamente chavista, só falta a sequência dos tabus.

    Já faltou mais, mas é preciso amuar e haver bolo nas redondezas.

    De Blogger António Oliveira, em junho 19, 2007 12:12 da tarde  
Enviar um comentário