BRITEIROS: Maio 2007 <$BlogRSDUrl$>








quinta-feira, maio 31, 2007

A razão ao quilo

Um milhão, não, meio milhão, setecentos mil, e por aí fora se degladiam governo e sindicatos. É como se a razão agora fosse ao peso, à cabeça, à peça. A greve tinha como objectivo derrubar o governo? Não. Então que significado têm os números? Que os que fizeram greve não estão contentes é facto. Já é abusivo e desonesto intelectualmente deduzir aprovação no facto de outros não terem feito greve. Mais, é mesmo gozar com a triste condição de alguns. Condição económica de uns ou axiológica de outros.

Uma greve geral parcial, uma derrota dos sindicatos, como se os sindicatos não fossem pessoas, e as pessoas não sofressem na pele as consequências de anos de má gestão, nepotismos, e outras maleitas. Como dizem os franceses, "les absents ont toujours tort" e é bem portuguesa a ideia de que mais vale burro que nos carregue que cavalo que nos derrube. É da natureza asinina carregar até que um dia, mais cedo para uns e mais tarde para outros, lá cai a "gota" ou a "palha" que parte as costas ao animal. Entretanto, não me parece bem que se desvalorize o aumento da taxa de desemprego no mesmo período em que o crescimento económico de um trimestre aparece como um milagre...

:: enviado por RC :: 5/31/2007 09:18:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A memória dos blogues

Vital Moreira sentencia, no seu blogue, que a greve geral foi um «fracasso» e que a CGTP pagou caro o seu «voluntarismo». Creio porém que V.M. devia evitar acusar seja quem for de «voluntarismo» dado que ele próprio é, desde que o governo Sócrates tomou posse, um caso extremo de «voluntarismo» na defesa e propaganda da política desse governo.
Acresce que os blogues têm uma vantagem ou um inconveniente, consoante os pontos de vista, que é o de registarem e arquivarem tudo quanto neles se foi escrevendo ao longo do tempo. E quem for revisitar os «posts» que Vital Moreira escreveu durante os governos de Durão Barroso e Santana Lopes, rapidamente concluirá que, nesse tempo, ele não reclamou desses governos nem metade daquilo que agora entusiasticamente aplaude no governo do PS.

[Vítor Dias, O Tempo das Cerejas]

Etiquetas:


:: enviado por JAM :: 5/31/2007 08:32:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Rescaldo



Quando se luta, nem sempre se ganha.


Se não se luta, perde-se sempre!!!

:: enviado por ja :: 5/31/2007 02:46:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

O primeiro-ministro está filosoficamente só

Há cinco escolas de pensamento marxista. A silenciosa e idiota, dirigida por Harpo. A ligeiramente criminosa, chefiada por Chico. A sempre divertida, de Gummo. A amigável, mas sem utilidade, de Zeppo. E a seca e fria, que dirige tudo, cujo líder é Groucho. José Sócrates é, claramente, o representante da tendência indígena da linha Groucho Marx.

Continuar a ler >>>


:: enviado por JAM :: 5/31/2007 10:35:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

quarta-feira, maio 30, 2007

Rescaldo da greve geral de hoje

Sejamos sérios: a greve de hoje pode não ter sido o fracasso que o governo, de forma arrogante, como sempre, diz que foi. Mas esteve longe de ser uma greve geral e mais longe ainda de ser uma grande vitória dos trabalhadores. Basta atentar nas palavras cautelosas de Carvalho da Silva. Seria tolice estarmos agora a tapar o Sol com uma peneira.
Está certo: mais uma vez se mobilizou para a luta uma parte significativa, não desprezível, da população trabalhadora, sobretudo na função pública.
Está certo: os sindicatos continuam a ter capacidade de mobilização.
Mas então porque é os números da adesão não foram mais condizentes com a expressão “greve geral”?
Algumas hipóteses de resposta:
Porque a tónica desta greve foi posta sobretudo na função pública;
Porque os sindicatos têm de se adaptar aos dias que correm e, sobretudo, aceitar e promover a ideia de que um delegado sindical é um representante dos trabalhadores junto da direcção sindical e não um representante da direcção sindical junto dos trabalhadores;
Porque há muita gente que começa a ter medo até de ter opiniões políticas no local de trabalho, quanto mais fazer greve (ainda por cima uma greve política); há gente que, ao fim de 33 anos de democracia, ainda não perdeu esse medo; e há gente (não sei se muita gente, mas sempre demasiada) que acha que, enquanto forem os outros a levar porrada (“Não é nada comigo! Não é nada comigo!...”), está tudo bem.
E, bem, eu não queria ser acusado de pessimista ou de desmancha-prazeres, mas… o PS não continua à frente (e destacado) nas sondagens? E o partido que, nas mesmas sondagens, aparece como alternativa ao PS, não é o PSD?...

:: enviado por Manolo :: 5/30/2007 10:46:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Breves da Greve

Metro de Lisboa vai punir trabalhadores
O Metropolitano de Lisboa vai abrir processos disciplinares aos trabalhadores que se recusaram a cumprir, esta quarta-feira, os serviços mínimos. Em comunicado, a administração da empresa assegura que os infractores vão ser «devidamente penalizados».


Sindicato dos enfermeiros acusa hospital de violar lei
O Sindicato dos Enfermeiros Portugueses (SEP) acusou, esta quarta-feira, a administração do hospital de Santo André, em Leiria, de violar a legislação ao pedir o nome dos trabalhadores que aderiram à greve geral convocada para hoje.

:: enviado por RC :: 5/30/2007 08:33:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Não basta parecer

A Portugal não basta um governo razoável, assim, assim [...] Não basta parecer competente, é preciso sê-lo. Não basta passar a imagem de que se governa, é preciso que se governe com competência e para que o progresso seja conseguido com o esforço e sacrifício de todos, devendo ser os seus resultados igualmente distribuído por todos e, em particular, dos mais pobres.

O Jumento


:: enviado por JAM :: 5/30/2007 08:15:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A charrua à frente... II

RTP - Charrua insultou Sócrates "em vários locais públicos da DREN" : "Charrua insultou Sócrates 'em vários locais públicos da DREN'
O presidente da 'distrital' socialista do Porto, Renato Sampaio, disse hoje à agência Lusa que o professor Fernando Charrua insultou o primeiro-ministro, José Sócrates, 'em vários momentos e em diferentes locais públicos da DREN'.
Fernando Charrua foi suspenso pela Direcção Regional de Educação do Norte (DREN), onde estava colocado há 19 anos como professor requisitado, na sequência da abertura de um processo disciplinar por alegados insultos ao primeiro-ministro.
O que se passou não é aquilo que se pretende fazer crer como um simples comentário privado. Foram insultos em vários momentos e em diferentes locais públicos da DREN, pelo que sabemos', disse Renato Sampaio.
O líder do PS/Porto acusou, ainda, Fernando Charrua de 'querer condicionar o resultado do inquérito através do recurso à comunicação social'.
"Conhecemos as relações políticas e pessoais do professor Charrua, mas nós no PS não recebemos lições de ninguém", referiu o presidente da distrital socialista do Porto, numa alusão aos factos de o professor suspenso pela DREN ser ex-deputado do PSD e marido da vereadora social-democrata na Câmara do Porto,Matilde Alves.
Na opinião de Renato Sampaio, "o professor Charrua está com uma grande intranquilidade e recorre sistematicamente à comunicação social para condicionar o resultado do inquérito".
"Não há nenhuma perseguição política a ninguém. Um professor, pelas suas responsabilidades pedagógicas, não pode insultar cidadãos com palavras verdadeiramente insultuosas. Como é que um professor destes pode ensinar alunos?", questionou Renato Sampaio.
© 2007 LUSA - Agência de Notícias de Portugal, S.A.
2007-05-30 18:05:01"

"The plot thickens"

Ontem, falava-se de "alguém que foi requisitado à sua escola para desenvolver uma política educativa de determinado Governo, neste caso do PS".
Hoje, há quem se interrogue acerca de como "um professor destes pode ensinar alunos".

Ficamos a saber muita coisa e, como diz o ditado, homem prevenido vale por dois.
Se as funções que F. Charrua ocupava eram de confiança política, então, das duas uma, ou Charrua é um hábil camaleão para ter sobrevivido e merecido a confiança política dos governos dos últimos vinte anos (Cavaco, Guterres, Durão, Santana e até de Sócrates em 2005/06 e 2006/07) ou então ainda teremos novos episódios desta telenovela.
Por outro lado, se não é aceitável que "um professor destes" possa ensinar alunos por que é que foi recambiado para uma escola, exactamente o tal sítio em que se ensinam alunos? Será pelo facto de, no pensar dos ilustres quadros políticos do ME a escola ser um purgatório donde se querem livres e longe o mais possível?

Mais uma vez se reforçam os argumentos que sustentaram a minha posição no último Falar Claro na rádio Terranova.
(ver também)

Etiquetas: , , , , ,


:: enviado por RC :: 5/30/2007 07:32:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A charrua à frente... I

"Não estamos a falar de um trabalhador que está no seu posto de trabalho natural, mas de alguém que foi requisitado à sua escola para desenvolver uma política educativa de determinado Governo, neste caso do PS", afirmou ontem o socialista João Bernardo, falando na Comissão Parlamentar de Educação. Face aos protestos da oposição, que corrigiu para "política educativa do País", o deputado reiterou: "Está a cumprir um programa de Governo." "Não estamos a falar de um funcionário da DREN, mas de um professor que é requisitado anualmente para apoio técnico-pedagógico" - um regime de requisição que "pressupõe um elo de confiança", sustentou ainda."

Fica assim amplamente confirmada a nossa intervenção no último Falar Claro. A confiança política é a primeira prioridade pelo que não admira que tenhamos chegado ao ponto a que chegámos.
À beira do abismo vamos lá dar um passo em frente...

Etiquetas: , , , , ,


:: enviado por RC :: 5/30/2007 07:28:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

E já levanta a cabeça

Blasfémias: "O direito de escolher trabalhadores que não fazem greve
Lembrei-me de outro direito. Afinal em dia de greve geral luta-se por direitos. Neste caso o direito de contratar apenas trabalhadores que não fazem greve. Deve um empregador ter o direito de só assinar os contratos de trabalho em que o contratado renuncia ao direito à greve. Note-se que o trabalhador mantém o seu direito de não assinar e de procurar um outro empregador que queira empregar trabalhadores que não querem renunciar ao direito à greve.
Lembrei-me de outro direito. Afinal em dia de greve geral luta-se por direitos. Neste caso o direito de contratar apenas trabalhadores que não fazem greve. Deve um empregador ter o direito de só assinar os contratos de trabalho em que o contratado renuncia ao direito à greve. Note-se que o trabalhador mantém o seu direito de não assinar e de procurar um outro empregador que queira empregar trabalhadores que não querem renunciar ao direito à greve."

:: enviado por RC :: 5/30/2007 05:58:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Autismo?

Governo: “o país não está paralisado” com a greve geral
30.05.2007 - 12h29 Lusa

O ministro de Estado e das Finanças, Fernando Teixeira dos Santos, desvalorizou hoje o impacto da greve geral considerando que os efeitos são parciais e sectoriais, garantindo que o país não está paralisado.

> Greve geral paralisa Metro de Lisboa e ligações fluviais
> Faro: voos desviados e cancelados devido a paralisação dos bombeiros
> Fenprof diz que principais escolas de Lisboa estão fechadas
> Tribunal de Évora acordou de portas trancadas a cadeado
> Greve geral: hospitais principais com adesão de 100 por cento

:: enviado por JAM :: 5/30/2007 02:47:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Solidário com a Greve Geral

Solidário com todos os que participam na greve geral e sentindo forte comiseração para com aqueles que não assumem as responsabilidades do seu descontentamento, hoje só cumpro os serviços mínimos.

:: enviado por RC :: 5/30/2007 12:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Governo: greve geral “é parcial” mas com impacto significativo no Metro Sul do Tejo


:: enviado por JAM :: 5/30/2007 11:03:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

terça-feira, maio 29, 2007

Nota de humor sobre um vírus fálico

Está a circular através do sistema de mail uma mensagem humorística, em formato pps e em línguas francesa, que mostra um suposto vírus (em forma de “falo” animado) que estará a invadir as praias para atacar as indefesas veraneantes. Não me atrevendo a perturbar o saudável ambiente do “BRITEIROS” (o aspecto da personagem fálica poderia chocar os espíritos mais sensíveis…), não quero deixar de desde já sossegar todos aqueles que, pelo facto de já terem recebido, ou ainda virem a receber, a referida mensagem, se possam sentir alarmados com a hipótese de uma epidemia que viesse perturbar a paz e a estabilidade nacionais.

Não sendo muito claro que as praias portuguesas estejam sujeitas a uma contaminação pelo referido vírus, seria talvez aconselhável iniciar o habitual conjunto de reuniões preparatórias, de forma a criar, atempadamente, as necessárias equipas multidisciplinares que procedam ao diagnóstico da situação, a partir do qual se torne possível a definição de objectivos que deverão ser alcançados através de um plano de contingência, a elaborar pelos especialistas do costume, com base nas estratégias cientificamente comprovadas, e de acordo com as orientações da OMS adoptadas pelo Governo Português após reunião dos Ministros da Saúde da União Europeia.
De qualquer modo, é desde já justo sublinhar que o ex-Ministro Pina Moura (sempre disponível para partilhar o brilhantismo da sua mente com os amigos que o recolheram após a ruptura com o PCP) já entrou em contacto com o seu ex-camarada Mário Lino a pedir-lhe que, por favor, não confunda as areias do litoral com as areias do deserto e que não diga nada sobre este novo vírus enquanto não houver a necessária análise política do grupo clandestino AVESN (A Verdadeira Esquerda Somos Nós) sempre fiel ao velho lema "Agora somos do PS, um ou dois passos atrás, amanhã logo se vê, que as manhãs nem sempre cantam como nós queremos".
Entretanto, Correia de Campos já veio afirmar que não há nenhuma razão para alarmismos, considerando que o tal vírus será, de acordo com os especialistas de saúde pública, apenas uma variação de uma velha estirpe de vírus que, ao contrário do que se possa pensar, nunca constituiu um verdadeiro perigo, dadas as sua características específicas que o obrigam a ter como hospedeiro indivíduos do sexo masculino com um perfil psicossomático cada vez mais raro no nosso país. No entanto, e para sossego de todos, o Ministro promete que as ambulâncias passarão a ser equipadas com o equipamento necessário para o apoio imediato e eficaz a todas as eventuais (embora muito pouco prováveis) vítimas que apresentem quaisquer sintomas suspeitos.

vieira da silva

:: enviado por vieira da silva :: 5/29/2007 11:07:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Ontem, hoje e amanhã


Jerónimo de Sousa com trabalhadores em greve
..............................................
Como sempre, é com este que os trabalhadores podem contar!!!

Etiquetas: , , ,


:: enviado por ja :: 5/29/2007 09:10:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Greve geral


Na véspera da greve geral:

- E você/tu, não gostava(s) de correr com ele?...

:: enviado por Manolo :: 5/29/2007 08:52:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Greve Geral

(clique na imagem para aumentar)

As razões. Para alguns não são suficientes. Para alguns sindicalistas profissionais, desses para os quais negociar é dizer sempre sim, nada disto chega.

Etiquetas: , ,


:: enviado por RC :: 5/29/2007 08:40:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

As eleições espanholas

Não é fácil tirar conclusões globais dos resultados das eleições autárquicas num país tão plural, tão dividido e tão complexo como é a Espanha. A primeira observação diz-nos que os dois grandes partidos — PSOE e PP — obtiveram quase o mesmo número de votos, com uma diferença favorável aos populares. Mas, de facto, ambos ganharam — O PSOE em municípios, o PP em votos — e ambos perderam — sobretudo porque a abstenção aumentou.
Na prática, estas eleições demonstraram que, por um lado, os populares ganharam terreno em relação a 2003 e, por outro lado, os socialistas não o cederam assim tão facilmente porque ainda foram capazes de arrebatar ao PP um bom número de municípios, mesmo se nalguns casos foi preciso fazer alianças. Trata-se por isso de um cenário preocupante para ambos os partidos, mas mais para aquele que governa há apenas três anos: um desgaste de votos tão grande não é um bom presságio para quem deseja manter-se no poder.
O governo de Zapatero caiu na armadilha que lhe estendeu o PP de Rajoy. Em vez de ventilar a boa marcha da economia e o progresso evidente em Espanha, deslustrou-se a debater a luta contra o terrorismo de uma forma ambígua. E depois, escolheu para Madrid dois candidatos — Simancas e Sebastián — que não tinham quaisquer hipóteses de ganhar. Ora ganhar em Madrid é meio caminho para ganhar em Espanha. Madrid é o centro político, mediático, administrativo, judicial, económico e financeiro do país. Se eu fosse Zapatero estaria muito preocupado porque esta tendência sem matizes na capital pode muito bem repetir-se dentro de alguns meses nas legislativas. E seria pena porque Zapatero nada tem a ver com o seu correligionário José Sócrates.

Etiquetas:


:: enviado por JAM :: 5/29/2007 07:39:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Manifesto



Basta pum basta!!!

Uma geração que consente deixar-se representar por um Dantas é uma geração que nunca o foi. É um coio d'indigentes, d'indignos e de cegos! É uma resma de charlatães e de vendidos, e só pode parir abaixo de zero!
Abaixo a geração!

Morra o Dantas, morra! Pim!

Uma geração com um Dantas a cavalo é um burro impotente!
Uma geração com um Dantas ao leme é uma canoa em seco!
O Dantas é um cigano!
O Dantas é meio cigano!
[...]
O Dantas é o escárnio da consciência!
Se o Dantas é português eu quero ser espanhol!
O Dantas é a vergonha da intelectualidade portuguesa!
O Dantas é a meta da decadência mental!
E ainda há quem não core quando diz admirar o Dantas!
E ainda há quem lhe estenda a mão!
E quem lhe lave a roupa!
E quem tenha dó do Dantas!
E ainda há quem duvide que o Dantas não vale nada, e que não sabe nada, e que nem é inteligente, nem decente, nem zero!
[...]
Portugal que com todos estes senhores conseguiu a classificação do país mas atrasado da Europa e de todo o Mundo! O país mais selvagem de todas as Áfricas! O exílio dos degredados e dos indiferentes! A África reclusa dos europeus! O entulho das desvantagens e dos sobejos! Portugal inteiro há-de abrir os olhos um dia — se é que a sua cegueira não é incurável e então gritará comigo, a meu lado, a necessidade que Portugal tem de ser qualquer coisa de asseado!

Morra o Dantas, morra! Pim!

(oiça a versão completa interpretada por Mário Viegas)

—###—

Almada escreveu; eu ... subescrevo!!!

Etiquetas:


:: enviado por ja :: 5/29/2007 06:46:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Sete razões para fazer greve

in Arrastão: Sete razões para fazer greve: "1. A primeira e mais urgente: o desemprego. É curioso que tenha sido com um governo supostamente de esquerda este tenha atingido o recorde da história recente: 8,4%, (sabendo-se que, ao contrário da maioría dos países europeus, qualquer biscate ocasional retira o trabalhador dos números do desemprego).

Um governo de esquerda, em qualquer país do Mundo, tem o emprego como a prioridade acima de todas as prioridades. A defesa do pleno emprego é talvez a mais permanente e definitiva tradição de todas as esquerdas. Para Sócrates o emprego parece ser a última das prioridades. Sócrates adoptou o discurso que responsabiliza os supostos excessos de direitos dos empregados pelo índices de desemprego. A realidade está aí para o desmentir. A cada medida para diminuir os mal chamados “direitos adquiridos” (a expressão deveria ser “direitos conquistados”) não não tem correspondido criação de emprego. Pelo contrário. Um governo de esquerda que apresenta, ao fim de dois anos, estes índices de desemprego devia pintar a cara de preto e perceber porque está a falhar em tudo o que é essencial.

2. O aumento das relações laborais precárias, ao qual não tem correspondido nem um aumento dos postos de trabalho disponíveis nem um aumento do poder de compra.

Em Portugal existe uma dupla realidade: o que está na lei e o que acontece. Há uma parte substancial da população, sobretudo a mais jovem, que trabalha sem qualquer vinculo - vale a pena ver o peso que as empresas de trabalho temporário têm hoje no mercado de emprego. Com baixos salários e nenhuma perspectiva de futuro esta situação cria problemas sociais graves. Mas também problemas económicos. Sem saber o futuro e vivendo em instabilidade e incerteza permanente, o planeamento financeiro da maior parte das famílias, um endividamento sustentável, o pequeno investimento pessoal e a assunção de riscos profissionais são impossibilidades. Quem não sabe se daqui a um mês terá dinheiro para pagar a casa, os estudos dos filhos e as despesas mais elementares não arrisca em nada. No caso dos mais jovens, a decisão é simples: prolongar a dependência em relação aos pais. A precariedade absoluta cria uma sociedade infantilizada e medrosa, e não o oposto.

O grande argumento tem sido este: é porque as gerações mais velhas tem excesso de direitos que as mais novas não têm direitos nenhuns. A mentira é uma evidência. Em nenhum país a diminuição de direitos dos mais velhos correspondeu a um aumento de direitos dos mais jovens. Imaginar isto é imaginar que a perda de direitos não cria um padrão nas empresas.

Continuar a ler Sete razões para fazer greve

Etiquetas: , , ,


:: enviado por RC :: 5/29/2007 06:03:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Listagem de grevistas é proibida

PortugalDiário - A informação actualizada ao minuto: as últimas notícias do país e do mundo.: "Listagem de grevistas é proibida
2007/05/29 | 16:43
Comissão Nacional de Protecção de Dados diz que é um «procedimento discriminatório» e que viola a lei. Justificação: fazer greve «reflecte uma opinião política» e ninguém deve ser tratado de forma diferente por essa razão.

****

A Comissão Nacional de Protecção de Dados (CNPD) informou, esta terça-feira, que proíbe o Ministério da Finanças de fazer o tratamento autónomo dos dados pessoais dos funcionários públicos que participarem na greve geral desta quarta-feira.

Para a CNPD, o despacho da Direcção Geral dos Impostos que ordena aos vários serviços a identificação dos grevistas através do preenchimento de um mapa com os números mecanográfico e de identificação fiscal dos mesmos é um procedimento ilegal e discriminatório.

Na deliberação agora tomada, a CNPD recorda ao Governo que a adesão à greve reflecte uma opinião politica, logo a identificação autónoma e pessoal dos trabalhadores que fizerem greve viola a lei de protecção de dados pessoais, para além de ser um tratamento discriminatório.

Entretanto, contactado pela TSF, o Ministério das Finanças remeteu qualquer comentário sobre esta decisão para mais tarde.

Etiquetas: , , ,


:: enviado por RC :: 5/29/2007 05:49:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Perigoso regresso

in CÁ 70: PERIGOSO REGRESSO III: "Soube pela TVI que o Governo vai criar uma base de dados electrónica para controlar o número de trabalhadores da administração pública em dias de greve e gerir os descontos nos salários.
Um Despacho de 15 de Maio do Ministro das Finanças estipula que todos os serviços pertencentes à administração pública façam uma contabilização, obrigatória e imediata, dos funcionários que adiram ou não à greve. Para o efeito foi mesmo criada uma base de dados electrónica.
O despacho cria, junto da Direcção-Geral da Administração e do Emprego Público, uma base de dados na qual os serviços da administração directa e indirecta do Estado – incluindo as escolas, instituições de Ensino Superior e estabelecimentos de Saúde – têm de passar a inscrever “dados sobre o número total de trabalhadores e o número total de trabalhadores ausentes por motivo de greve”. Os dados terão de ser introduzidos num formulário electrónico que estará disponível no site da referida Direcção-Geral (www.dgaep.gov.pt) até às 11h30 de cada dia de greve, devendo a informação ser actualizada até às 16h00 desse mesmo dia. Posteriormente, os dirigentes dos serviços terão de comunicar à Direcção-Geral do Orçamento “até ao último dia do mês em que o processamento de vencimentos deve reflectir os descontos por ausência por motivo de greve, o número de trabalhadores com descontos efectuados”.
Na eminência da greve geral da função pública marcada para o próximo dia 30, fica a suspeita credível de que, mais do que fazer o apuramento de dados quanto aos níveis de adesão, o Governo pretende criar um mecanismo de coacção que visa intimidar os funcionários públicos, inibindo-os de participar na manifestação reivindicativa.
Bem pode o secretário de Estado, João Figueiredo, explicar que a base de dados é um mecanismo que pretende apenas fazer uma contabilização mais “transparente, rápida e normalizada”, e que o objectivo não é “fiscalizar” quem são os funcionários que aderem à greve”. Na verdade, conhecendo-se o apetite revanchista nacional, ao obrigar a listagem nominal das pessoas, esta é uma forma de “coagir o trabalhador a não fazer greve”.

Reflexão pertinente neste dia 28 que não esquece o outro 28 de Maio e o tempo que se lhe seguiu: o panorama que nos oferece – também a nós, Socialistas - esta maioria absoluta do meu camarada Sócrates torna-se assustador e democraticamente preocupante."

:: enviado por RC :: 5/29/2007 05:25:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

O pior pesadelo do Estado democrático após o 25 de Abril

Este é o país em que se compara a política com um semáforo avariado. Deixou de haver regras de circulação. No país de José Sócrates a delação tornou-se uma espécie de EMEL musculada. Portugal está a regressar ao sonho autocrático do pastor e do rebanho em busca da unanimidade total.
O que se passou na DREN, perante o ar de dona de casa condescendente da ministra da Educação, é o pior pesadelo do Estado democrático após o 25 de Abril. Portugal está a tornar-se o país dos que escutam a conversa dos outros e delatam o que ouvem para serem abençoados pelos chefes que os podem promover. Estamos a tornar-nos um sítio policial com uma máscara democrática. A delação com rosto amigo tornou-se a ideologia estatal.
O que se está a impor não é um "Big Brother" orweliano. Nem a ditadura de prazeres de que falava Huxley. É um país mesquinho, sedento de favores, de mão estendida que, em troca, conta o que ouviu numa conversa privada. Os delatados estão a ressurgir como infiéis perante os fantasmas de Salazar que nunca desapareceram.
Este país está a transformar-se num triste pesadelo: em que se troca a intimidade dos outros por 30 dinheiros. Vê-se o drama democrático. E espera-se que, em Belém, Cavaco Silva, esteja o ver o mesmo.

[Fernando Sobral, Jornal de Negócios]

Etiquetas: ,


:: enviado por JAM :: 5/29/2007 02:48:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Russo técnico

Glória Fácil: Claustrofobia democrática: "Claustrofobia democrática
Segundo a Lusa, José Sócrates deu uma entrevista à agência Itar Tass, publicada hoje no Izvestia, onde disse:

'A Rússia é A base da estabilidade na Europa e no mundo.' [bold meu].

Na versão da mesma entrevista em português, distribuída aos jornalistas pelos serviços de imprensa do primeiro-ministro português, lê-se:

'A Rússia é essencial para a estabilidade europeia e mundial.'"

:: enviado por RC :: 5/29/2007 12:59:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

in Blasfémias

Blasfémias: "Re:Treslendo o isco
pedro adão e silva escreve o seguinte:

Escrevi também, mas posso clarificar, que acho uma patetice de todo o tamanho a ideia que se vive um clima de censura e de diminuição do pluralismo – ideia aliás repetida ad nauseam por um conjunto de pessoas que, paradoxalmente, ocupa um espaço importante no espaço público opinativo – e que o caso DREN seria mais um exemplo disso mesmo. O contributo da directora-regional de educação é, por isso, a meu ver, desnecessário porque serve para dar solidez a uma falsa ideia. Aliás, tendo em conta o que se tem passado, acho que o mínimo que a senhora podia fazer era apresentar a sua demissão.

Eu juro que não percebi. O contributo da directora-regional de educação é desnecessário porque serve para dar solidez a uma ideia que prejudica a imagem do PS? Ou será desnecessário porque é um evidente abuso de poder? Deve demitir-se do PS porque deu munições aos adversários dos socialistas? Ou deve demitir-se da DREN porque prejudicou o interesse público? É que não me parece que o maior problema da directora da DREN seja dar uma imagem errada da governação socialista, mas essa parece ser a prioridade do Pedro Adão e Silva. E depois queixa-se de ser treslido ...
pedro a"

:: enviado por RC :: 5/29/2007 12:32:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

segunda-feira, maio 28, 2007

Se beber, não conduza!

O substituto de António Costa na pasta da Administração Interna, Rui Pereira, já tinha sido secretário de Estado da mesma pasta no governo Guterres. Nessa altura, defendeu, para grande escândalo de quem está no negócio das bebidas alcoólicas e de muitos portugueses (estes habituados a pensar que o álcool introduzido no organismo humano lhe confere a habilidade, por ex., do malogrado Ayrton Sena, e habituados aos brandos costumes da Brigada de Trânsito), defendeu, escrevia eu, a diminuição do grau de alcoolemia de 0,5 para 0,2 gramas por litro. Sempre quero ver, agora que é ministro, se tem a inteireza e a coragem de voltar a pegar naquela ideia e defendê-la e, já agora, no caso de o vir a fazer, se o seu partido vai achar mais importante a segurança rodoviária ou segurar os votos de quem milita contra o “Se beber, não conduza!”.

:: enviado por Manolo :: 5/28/2007 11:10:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Obrigado Finanças

Penso que não se deve apenas criticar os governos e quando há uma medida que nos facilite a vida a devemos parabenisar (como diz o Scolari). Então é assim:
O meu filho quer uma PlayStation3. Tenho resistido porque acho o aparelho demasiado caro mas, perante as boas notas e comportamento do miúdo, confesso que começo a ficar curto de argumentos. Inesperadamente, o Ministério das Finanças veio dar-me uma ajuda preciosa. Dizem as Finanças que qualquer doação entre pais e filhos superior a 500 euros deve ser declarada mesmo que não pague imposto. Ora, o aparelho custa 599,99 euros na FNAC e como não tenho intenção nenhuma de o utilizar, suponho que se enquadra no conceito de doação de pai para filho que deve ser declarada. Como não tenho tempo para passar nas Finanças, já disse ao rapaz que lamento mas não vou poder dar-lhe o dinheiro para a PSP3 já que não me apetece muito ver os meus bens apreendidos ou ter o meu nome numa lista qualquer de pessoas em falta. Mais a mais, com o clima que se instalou, tenho algum receio que algum amigo com cartão do PS me denuncie. Ele compreendeu.
Obrigado Finanças.


:: enviado por U18 Team :: 5/28/2007 09:33:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Folclore

Directora da DREN diz que é tudo "folclore"


:: enviado por RC :: 5/28/2007 01:05:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Estamos a ser observados

Em 1948, George Orwell escreveu o célebre romance 1984, no qual o Estado omnipresente obrigava toda a gente — sob a atenta observação do Big Brother — a cumprir escrupulosamente as leis. Nessa altura, não se imaginava que, 60 anos depois, o seu prenúncio se tornaria realidade em empresas privadas, que armazenam todos os dados que nós, voluntariamente, ministramos aos motores de busca da Internet, a partir dos quais é possível saber as nossas preferências, os nossos gostos, as nossas transacções e as nossas comunicações pessoais.
Mas a diferença entre a visão orwelliana de 1984 e o controlo à distância a que hoje estamos submetidos quando usamos os nossos computadores é significativa. O Big Brother de Orwell era o olho que observava e controlava, a partir do célebre quarto 101, os elementos indesejáveis ao Estado totalitário. Hoje, os dados que detêm os motores de busca, como o Google, fomos nós que voluntariamente os fornecemos. Somos controlados porque quisemos.
Foram muitos os media que, na semana que passou, se debruçaram sobre esta verdadeira praga. O Financial Times escreveu na primeira página que “Google se propõe organizar a nossa vida diária”. O diário suíço Le Temps articula: “Google quer saber tudo sobre os internautas”. Le Figaro salienta que “Google se interessa de perto ao nosso ADN”. Até a revista de direita, muito próxima do UMP de Sarkozy, Le Point, faz eco da preocupação da “Europa que se inquieta com a conservação dos dados pelo Google”. É tal a quantidade de dados que esta e outras empresas da Internet detêm sobre os seus utilizadores que não vem longe o dia em que nos começarão a indicar que tipo de trabalho podemos obter ou qual é a cor das calças que nos fica melhor. Trata-se de personalizar toda a informação susceptível de nos interessar.
O mais alto responsável do Google, Eric Schmidt, justifica esta acumulação de dados de todos os utilizadores como um serviço personalizado que pode ser de grande utilidade para cada um dos indivíduos ligados à rede. No entanto, como o poder está na informação, tudo isso faz parte de uma batalha que se trava à escala global para ver quem possui mais dados, mais comportamentos e mais interesses pessoais dos internautas.
A minha privacidade pode assim ser partilhada por milhões de cidadãos do mundo inteiro. Não há dúvidas que se trata de um grande avanço, mas também é um perigo que pode tornar pública toda a minha intimidade, os meus gostos pessoais e tudo o que possa pertencer ao reservado território da minha pessoa. Pergunto a mim mesmo: que se passaria no dia em que uma ditadura nacionalizasse esses motores de busca? Nem quero pensar.

Etiquetas: ,


:: enviado por JAM :: 5/28/2007 09:30:00 da manhã :: 2 comentário(s) início ::

Tesourinho deprimente

O “caso Charrua” é revelador do estado a que isto chegou (e o pior é que a gente pensa que mais baixo não se pode chegar e, vai-se a ver, a coisa ainda não bateu no fundo).
O “caso Charrua” tresanda. Desde o ex-professor ex-destacado na DREN ex-deputado do PSD que faz gracinhas com uma situação (a bandalheira que vai pelas universidades privadas) na qual o PSD tem tantas ou mais responsabilidades do que o PS, passando pelo seu colega de DREN e supostamente amigo de longa data que lhe ouviu a boca e diligentemente a foi bufar ao ouvido da Chefe, até esta última que quis mostrar serviço aos padrinhos e apenas mostrou que o ridículo não tem limites, tudo isto cheira mal e mete nojo aos cães.
Não, não estou minimamente preocupado com o destino do professor (?) Charrua, cujo “castigo” vai ser voltar a fazer aquilo que supostamente é a contrapartida do vencimento que o Estado (nós todos) lhe paga ao fim do mês e para que supostamente o mesmo Estado o formou: dar aulas, ensinar. Afinal, o trabalho dignifica...
O que me preocupa é o clima que se está a criar, passo a passo. Já se sabe que os portugueses gostam de rédea curta, de personalidades fortes (ou, como se diz agora, de estadistas determinados), alguns (muitos? demasiados, sem dúvida) até têm saudades do salazarismo... Estamos a caminhar outra vez para um contrato não escrito entre governantes e governados em que àqueles é permitido governarem (e governarem-se) mais ou menos livremente em troca de não nos chatearem (aos governados) com coisas aborrecidas como a politica — esta coisa de ter de decidir em quem votar de 4 em 4 anos é uma chatice — tão grande que a gente acaba por votar sempre nos mesmos... afinal, o que “eles” querem todos é gamela... E nós, os governados, também?...

:: enviado por Manolo :: 5/28/2007 02:06:00 da manhã :: 4 comentário(s) início ::

domingo, maio 27, 2007

Castigo

Hoje não tive pachorra para comprar o Público. Já estou arrependido. Ao vadiar pela blogosfera, passei pelo Aspirina B e lá estava um belíssimo texto do António Barreto.

"Onde estão os políticos socialistas? Aqueles que conhecemos, cujas ideias pesaram alguma coisa e que são responsáveis pelo seu passado? Uns saneados, outros afastados. Uns reformaram-se da política, outros foram encostados. Uns foram promovidos ao céu, outros mudaram de profissão. Uns foram viajar, outros ganhar dinheiro. Uns desapareceram sem deixar vestígios, outros estão empregados nas empresas que dependem do Governo. Manuel Alegre resiste, mas já não conta. Medeiros Ferreira ensina e escreve. Jaime Gama preside sem poderes. João Cravinho emigrou. Jorge Coelho está a milhas de distância e vai dizendo, sem convicção, que o socialismo ainda existe. António Vitorino, eterno desejado, exerce a sua profissão. Almeida Santos justifica tudo. Freitas do Amaral reformou-se. Alberto Martins apagou-se. Mário Soares ocupa-se da globalização. Carlos César limitou-se definitivamente aos Açores. João Soares espera. Helena Roseta foi à sua vida independente. Os grandes autarcas do partido estão reduzidos à insignificância. O Grupo Parlamentar parece um jardim-escola sedado. Os sindicalistas quase não existem. O actual pensamento dos socialistas resume-se a uma lengalenga pragmática, justificativa e repetitiva sobre a inevitabilidade do governo e da luta contra o défice. O ideário contemporâneo dos socialistas portugueses é mais silencioso do que a meditação budista."(Ler tudo)

A tudo isto as picaretas de serviço responderão com o silêncio.

:: enviado por RC :: 5/27/2007 08:01:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Photoshop

O photoshop tem andado num rodopio, como se pode ver nos exemplos retirados de dois blogues em que labutam mestres destas artes. Valem bem a visita.

http://oblogdanalga.blogspot.com/


http://wehavekaosinthegarden.blogspot.com/

:: enviado por RC :: 5/27/2007 07:30:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

Humor I


À boa maneira portuguesa, há quem sublime o descontentamento com uma grande criatividade. É o caso do Anterozóide.

:: enviado por RC :: 5/27/2007 07:20:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Bicho Carpinteiro: Dois anos de bichos

Bicho Carpinteiro: Dois anos de bichos: "Dois anos de bichos

Fizemos por estes dias dois anos de existência.Como em todas as histórias temos várias datas fundadoras:a verdadeira e a oficial.A verdadeira foi a do primeiro post da Joana Amaral Dias a 17 de Maio de 2005.[...]Até porque hoje em dia a blogosfera está na primeira linha de defesa da liberdade de expressão."

Nem mais, parabéns a toda a equipa do Bicho Carpinteiro.

:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:52:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Bicho Carpinteiro: Alguém devia esclarecer a ministra

Bicho Carpinteiro: Alguém devia esclarecer a ministra: "Alguém devia esclarecer a ministra

Alguém podia esclarecer a Ministra da Educação que o problema levantado pelo caso Charrua está longe de ser o da importância que a comunicação social lhe dedicou.Pelo contrário essa importância deve ser creditada aos bons reflexos na protecção do vigente clima nacional de liberdade de expressão.A opinião pública tem destas coisas.Liberdade de expressão, liberdade de imprensa, opinião pública.A Ministra deve atender ao que se está a desenrolar sob os seus olhos e ouvidos.E acalmar os ânimos."

Há um pequeno óbice a esta proposta de Medeiros Ferreira: como esclarecer quem já sabe tudo?
São as engenharias...

:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:49:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Cidadãos por Lisboa

Cidadãos por Lisboa: "Helena Roseta hoje no programa 'Diga Lá Excelência'

Hoje, veja ou oiça entrevista com Helena Roseta na Rádio Renascença e na RTP 2, no programa 'Diga Lá, Excelência'. Amanhã, leia a mesma entrevista no jornal Público.
Rádio Renascença - entre as 12.00 e as 13.00 horas
RTP 2 - às 19.30"

Etiquetas: , , ,


:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:38:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

António Costa

UNIR LISBOA - António Costa LX'07: "“Sem maioria, o destino da Câmara ficará entregue aos jogos partidários”, declarou António Costa na apresentação dos seu mandatário sénior, Raul Solnado, nas eleições intercalares para a Câmara de Lisboa.

O candidato alertou para os riscos de a “pulverização de candidatos” acabar por se transformar numa “pulverização de mandatos” no futuro executivo."

Etiquetas: , , ,


:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:37:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Comissão Liquidatária

A Região Centro vai ser a mais penalizada - poderá perder quase 39% das suas escolas. Entre os concelhos com mais estabelecimentos sinalizados destacam-se o de Viseu (com 28), o da Guarda e Tondela (22), Coimbra, Seia, Leiria e Pombal (20) e Cantanhede (18). Perdas que para alguns concelhos poderão significar quase metade do seu parque escolar - caso da Guarda, 48, 8% - ou mais se em Seia encerrarem 20 escolas, a reorganização traduzir-se-á numa perda de 64,5% do parque escolar do concelho. Celorico da Beira tem 13 estabelecimentos sinalizados para fechar. A confirmar-se ficará com três, perdendo 81,2% da sua rede de ensino.

Entretanto, quantas foram construídas para acolher, em boas condições, os alunos?


Etiquetas: , , ,


:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:18:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Alice Vieira

No JN, Alice Vieira escreve mais um desses artigos que, destilados por uma vida longa e rica de experiências, nos aquece o coração. Comeca assim:

"Nos tempos pré-históricos em que andei no Liceu Filipa de Lencastre,tive uma professora de Física, chamada Adelaide Graça, que nos tratava a todas por "monstros". "Ó meu monstro, então tu não vês que isso é um disparate?". "Anda cá, meu monstro, que fizeste um óptimo trabalho!"

Às vezes levava o requinte ao ponto de nos dar leves palmadas nas mãos com o ponteiro. E o que nós gostávamos dela! E como aquele" monstro" nos aquecia o coração! [...]"

Vale a pena ler na integralidade.

Etiquetas: , , , ,


:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:11:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Paul Newman

Chega a notícia de que Paul Newman termina a sua carreira. O homem dos carros rápidos e benemérito extraordinário, fica para sempre na minha memória identificado pelo filme The Hustler. Os polegares partidos pelo gangster, o espírito rápido e o taco certeiro.

Com a sua companhia Newman's Own conseguiu fundos para toda uma vida de ajuda a quem mais precisa. Ora aí está um grande homem.

:: enviado por RC :: 5/27/2007 01:04:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Fernando Charrua et al

SER POLÍTICO É SER CIDADÃO: O CASO FERNANDO CHARRUA:

"O Senhor Primeiro Ministro José Sócrates afirmou que « nem o Governo, nem alguma instituição deste país, deixará que alguém seja sancionado por uso do direito à liberdade de expressão » a propósito do alegado processo disciplinar instaurado ao Professor e ex-deputado do PSD Fernando Charrua pela Directora Regional de Educação do Norte .
Esqueceu-se porém das penas disciplinares que foram aplicadas pelo Ministério da Administração Interna do seu Governo aos 2 sindicalistas da PSP, António Cartaxo e António Ramos por terem afirmado respectivamente que o então Director da PSP, Mário Morgado « não interessa nem para mandar nos escuteiros » ( António Cartaxo ) e « que « Se o anterior 1º Ministro ( Durão Barroso ) foi para Bruxelas, mais depressa este ( José Sócrates ) vai para o Quénia » ( António Ramos ) .
No caso de António Ramos, a quem foi aplicada a pena de aposentação compulsiva, está pendente acção administrativa especial no Tribunal Administrativo e Fiscal de Lisboa e recurso no Tribunal Central Administrativo – Sul quanto à decisão que recusou a adopção de providência cautelar , pelo que o mesmo continua suspenso das suas"

e mais--->>>

Etiquetas: , , , , ,


:: enviado por RC :: 5/27/2007 02:24:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

sábado, maio 26, 2007

Liberdade para Mumia Abu-Jamal


Abu-Jamal está no corredor da morte, desde 1982, na sequência dum processo fraudulento que o declarou culpado da morte de um agente da polícia de Filadélfia, um ano antes. Activista político desde os 15 anos, quando se juntou ao Partido dos Panteras Negras, o prisioneiro foi redactor e jornalista de rádio expondo por diversas vezes a brutalidade policial contra membros da comunidade afro-americana. ler mais.
.......................................................................
O silêncio ensurdecedor a que estão votados alguns dos "notáveis" portugueses - tão rápidos quando se trata de condenar outros paises - é digno de nota e de ... vómito!!!

:: enviado por ja :: 5/26/2007 11:16:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::


"Notáveis" limitam greve

A ironia da greve geral de dia 30 é que a sua sorte pode ter ficado definida antes de começar e a culpa é das novas regras impostas para os serviços mínimos. Quando as empresas e os sindicatos não chegam a acordo, a decisão fica agora nas mãos de árbitros.
Eduardo Catroga, Monteiro Fernandes (responsável pela ‘flexissegurança’), José Miguel Júdice, Miguel Beleza e Miguel Nogueira de Brito são alguns dos ‘notáveis’ que decidiram os serviços mínimos que 12 empresas vão ter de cumprir. ler
...................................................................
Assim vai esta "horta saloia" à beira mar plantada!!!

Etiquetas: , , , ,


:: enviado por ja :: 5/26/2007 11:16:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A eterna juventude

""Já perguntámos à embaixada, mas não nos responderam", acrescentou.
Cinco turistas portugueses e dois espanhóis foram detidos a 16 de Maio em Riga, Letónia, depois de terem pisado e destruído bandeiras daquele país, e aguardam a sentença do tribunal.
Os jovens, com idades entre os 25 e os 36 anos, incorrem numa pena que pode ir até três anos de prisão ou numa multa até 50 ordenados mínimos. De acordo com o familiar contactado pela Lusa, vários pais dos jovens detidos decidiram ir para a Letónia oito dias depois das detenções "para ver o que se estava a passar".





:: enviado por RC :: 5/26/2007 09:00:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

A "gracia" da Dr.ª Engrácia

Trabalhar ao feriado dará pontos?


in http://erf.blogs.sapo.pt/5034.html

Mail da Senhora Directora Regional... - erf:
"Exmo(a). Senhor(a)
Presidente do Conselho Executivo
Director Pedagógico


Realizadas as Provas de Aferição dos 4º e 6º Anos de Escolaridade, que decorreram na Região Centro, com toda a normalidade e num clima de tranquilidade, venho por este meio manifestar o meu reconhecimento por todo o empenho e esforço demonstrados pelo Órgão de Gestão/Direcção Pedagógica, Professores e Pessoal não docente. Esse esforço revelou-se, quer na criação das necessárias condições à realização das Provas, quer no desenvolvimento de actividades pedagógicas que garantissem o menor prejuízo das aprendizagens dos restantes alunos, evitando ainda a alteração das habituais rotinas familiares.
Saliento ainda a cooperação e a articulação observadas entre os Agrupamentos de Escolas, as Autarquias e outras entidades locais, que resultaram na concretização de soluções adequadas, garantindo o transporte dos alunos e, nalguns casos, a realização de actividades fora do espaço escolar.
Sobrelevo este reconhecimento às Escolas do concelho de Leiria que funcionaram na data do Feriado Municipal.
Bem hajam, todos.
Muito grata, ao dispor, apresento,

As minhas cordiais saudações.

A Directora Regional de Educação

Engrácia Castro"

Etiquetas: , , , ,


:: enviado por RC :: 5/26/2007 08:19:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Sá Fernandes

RTP - Sá Fernandes diz que Telmo Correia desconhece Túnel Marquês ou está a mentir: "Sá Fernandes diz que Telmo Correia desconhece Túnel Marquês ou está a mentir
O cabeça-de-lista do Bloco de Esquerda à Câmara de Lisboa acusou o seu adversário do CDS-PP de desconhecer o dossiê do túnel do Marquês, ou de mentir, ao responsabilizá-lo pela derrapagem financeira da obra.

'Ou ele não conhece o dossiê ou conhece e está a mentir', disse à Lusa o candidato do Bloco de Esquerda, José Sá Fernandes.

O candidato do CDS-PP à Câmara de Lisboa, Telmo Correia, responsabilizou hoje Sá Fernandes, pela derrapagem financeira de mais de 4,5 milhões de euros na construção do Túnel do Marquês.

'Há uma derrapagem que pode chegar aos cinco ou seis milhões de euros que é directamente imputável ao vereador do Bloco de Esquerda', acusou Telmo Correia."

:: enviado por RC :: 5/26/2007 08:15:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Não querias mais nada

José Maria Martins: Publicação de Carta ao Primeiro Ministro: "Publicação de Carta ao Primeiro Ministro

Caros amigos da blogosfera.

Está em causa o nosso presente e futuro . O Governo de José Sócrates está a afundar cada vez mais Portugal.

A situação é muito grave. A corrupção cresce; o compadrio mina as nossas estruturas; a falta de ética atingiu a raia do intolerável; o ataque pidesco à liberdade de opinião; a emigração galopante; a pobreza que se instalou; a falta de horizontes para os nossos jovens; o desemprego crescente; a mentira e o esquemismo ,destroiem a nossa alma, o nosso orgulho, mandam-nos para a periferia da União Europeia."

A Helena Roseta não teve resposta...

:: enviado por RC :: 5/26/2007 08:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

E vão seis, só?

Afinal, existem mais casos na Direcção Regional de Educação do Norte (DREN). A informação é avançada pelo semanário “Expresso”.


O professor Fernando Charrua, suspenso pela DREN alegadamente por ter insultado o Primeiro-ministro, é o sexto funcionário a ter problemas com a directora regional.


E vão seis. Que me dizem do eufemismo da Renascença? Problemas?



:: enviado por RC :: 5/26/2007 12:09:00 da tarde :: 2 comentário(s) início ::

Correia de Campos

A pouco e pouco, devagar devagarinho se enterram os direitos sociais.

As crianças com menos de 12 anos são um dos grupos que poderá ficar sujeito à aplicação das taxas moderadoras de saúde. Esta recomendação consta do relatório elaborado pela comissão que defende medidas que garantam a sustentabilidade do financiamento do Serviço Nacional de Saúde.

:: enviado por RC :: 5/26/2007 12:09:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Perguntar não ofende (53)

Serão já consequências da eleição de Nicolas Sarkozy?


:: enviado por JAM :: 5/26/2007 09:05:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

Até quando?

Até quando deixaremos que aqueles que nos governam nos vários patamares do poder (na escola, no local de trabalho, na freguesia, no município, no distrito, na região, no país, na Europa, no mundo...), se sirvam de cada um de nós sob a bandeira esfarrapada da democracia e da liberdade? Até quando este nosso silêncio que tanto lhes convém e nos vai corroendo a coragem de regressar às ruas do futuro que seremos capazes de desenhar no dia em que todos o quisermos?

Vieira da Silva

:: enviado por vieira da silva :: 5/26/2007 07:46:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

sexta-feira, maio 25, 2007

Bozzetto

Bozzetto não será português? (clique sff)

:: enviado por RC :: 5/25/2007 10:02:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Uma solução para os problemas energéticos do planeta

A ideia é audaciosa: O laboratório americano IntAct, com sede em Cambridge no Massachusetts, conseguiu produzir electricidade a partir de matérias fecais. Uma ideia que o laboratório submeteu à NASA para produzir a sua própria energia durante as longas viagens inter-siderais.
Como é que isso funciona? Um simples exemplo esclarecedor: se alimentarmos bactérias com a caca de seis astronautas, em troca, os micróbios produzirão a quantidade de electrões suficientes para assegurar a potência de 1 quilowatt. É quanto basta para alimentar 25 lâmpadas de 40W !...
Trata-se da versão biológica de uma pilha de hidrogénio que tem a vantagem de não precisar de usar platina, que normalmente é o elemento catalisador que permite aumentar o rendimento dos electrões produzidos pela reacção química da pilha.
Uma descoberta que cai bem nos tempos (ecológicos) que correm e que, para além do mais, permite reduzir o consumo de água e de... autoclismos.

:: enviado por JAM :: 5/25/2007 09:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

ABRUPTO

ABRUPTO: "O caso do professor punido por delito de anedota por uma comissária política do PS, bem conhecida no aparelho da educação regional do Norte e o modo como a Governadora Civil de Lisboa, bem conhecida na Federação do PS de Lisboa, dependente de António Costa, que aparece a apoiar como “cidadã”, actuou para acelerar a data das eleições de Lisboa e foi desautorizada pelo Tribunal Constitucional, são apenas dois exemplos mais evidentes do modo como a politização dos lugares de nomeação governamental é usada em momentos críticos. Aqui está para que servem os boys e as girls, que o PS (normalmente com maior eficácia e em maior número que o seu congénere PSD, réu do mesmo delito) coloca no aparelho de Estado.

Esta é uma das razões porque convém ser muito prudente ao embandeirar em arco com medidas que, na função pública, acentuam os critérios de classificação por quotas e a penalização dos que não chegam aos “excelentes” e “muito bons”. Essas medidas seriam de saudar se as chefias na função pública tivessem uma tradição de independência política e profissionalismo, o que , como se sabe, não têm por culpa e responsabilidade em particular do PS e do PSD. Por isso, o problema dos boys e girls vai mais fundo do que estas zelosas medidas que chegaram à opinião pública. Já agora, pelo menos no caso da responsável pela DREN, quanto tempo falta para o governo demitir a senhora do seu cargo?"

:: enviado por RC :: 5/25/2007 05:33:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Falar claro

Hoje, às 19:00, na Rádio Terranova (FM 105), mais um programa Falar Claro em que debaterei com António Pinho assuntos da actualidade:
*As eleições intercalares para a Câmara de Lisboa, já com 12 candidatos anunciados.
*A greve geral marcada pela CGTP-IN para o próximo dia 30 de Maio.
*A suspensão do professor na Direcção Regional de Educação do Norte.

Uma hora de diálogo civilizado, mas antagónico, em que a esquerda e a direita se encontram desde 25 de Novembro de 2005.
Em http://www.terranova.pt/ pode ser ouvida a emissão online, estando o blogue aberto a comentários de todos.

Etiquetas: ,


:: enviado por RC :: 5/25/2007 01:18:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Perguntar não ofende (52)

Alguém me pode explicar qual é a lógica de dizer Doutor Durão Barroso, Professor Cavaco Silva, Engenheiro José Sócrates (bom, aqui não tenho a certeza) e não dizer Doutor Nicolas Sarkozy (Mestrado em Direito), Doutora Angela Merkel (Doutorada em Física), Doutor Tony Blair (licenciado em Direito), Professor Zapatero (professor de Direito Constitucional) ou até mesmo Bacharel George Bush (Bacharel em História)?
Será que Doutor, Engenheiro, Arquitecto, Professor já fazem parte da lista oficial de nomes próprios?


:: enviado por U18 Team :: 5/25/2007 10:36:00 da manhã :: 0 comentário(s) início ::

quinta-feira, maio 24, 2007

As ralações de Sócrates



Um pouco mais de rigor, pf.
São inúmeras as confusões e imprecisões da imprensa quanto à reforma da função pública. Por exemplo, diz-se aqui que os "despedimentos chegam ao Estado", por via da aplicação do contrato de trabalho na Administração pública.
Ora, não há nenhuma novidade nisso. Hoje já é assim em relação aos trabalhadores contratados. As mudanças até são no sentido de melhorar a posição dos trabalhadores da administração pública em relação aos privados, pois em caso de perda do posto de trabalho não são imediatamente despedidos, mantendo-se em regime de mobilidade durante um ano e podendo ser recrutados para outro serviço. Também terão um regime de horário de trabalho e de férias mais favorável, igual ao que têm hoje os funcionários públicos.
[Publicado por vital moreira] 24.5.07

Um pouco mais de rigor, pf. dizemos nós. Todos os funcionários públicos portugueses ouviram dizer que não haveria despedimentos e que a redução dos efectivos se faria gradualmente pela fórmula de por cada um que se aposentasse só um seria admitido.


"Um aeroporto na margem sul tem um defeito: precisa de pontes. Suponham que uma ponte é dinamitada? Quem quiser criar um grande problema em Portugal, em termos de aviação internacional, desliga o norte do sul do país"

E como é que o TGV passa para o outro lado?

O professor, que entretanto se apresentou ao trabalho na Escola de Carolina Michaelis, no Porto, diz que tem sido alvo de múltiplas manifestações de solidariedade e nota, a propósito, que "nenhum dos seis juristas existentes na DREN aceitou elaborar o processo disciplinar", tendo Margarida Moreira, segundo Charrua, sido obrigada a recorrer a um jurista a trabalhar em Bragança.

E os advogados de Bragança não têm direito à vida?

«Já não bastam os doentes pagar as suas próprias despesas, mas também agora as crianças que adoecem e que vão ser obrigadas a pagar alguns custos. É uma linha que combatemos, uma linha de transformar o SNS em tendencialmente pago e não tendencialmente gratuito como diz a Constituição», acrescente este parlamentar do Bloco de Esquerda.

O presidente do Movimento de Utentes dos Serviços de Saúde considera que a intenção do actual Governo é progressivamente ir aplicando o princípio do utilizador/pagador no Serviço Nacional de Saúde.

Que o ministro da saúde não gramava os trabalhadores da saúde, já nós sabíamos. Agora que não grame os utilizadores é demais.

Etiquetas: , ,


:: enviado por RC :: 5/24/2007 09:50:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Gafe ou acto falhado?

«Quero deixar-vos também uma palavra de confiança, confiança em vós, nas vossas famílias e a certeza que cada um de vós dará o seu melhor para um país mais justo, para um país mais pobre... perdão, para um país mais solidário, mais próspero, evoluído», disse o chefe do Governo, corrigindo de imediato a «gafe».

Ouça aqui >>>

:: enviado por JAM :: 5/24/2007 08:26:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

quarta-feira, maio 23, 2007

Mais uma vez, o professor excedeu-se na lição

No passado dia 13, na sessão inaugural dos trabalhos da 5ª Conferência Geral do Episcopado Latino-Americano, em Aparecida, no Brasil, o papa negou que o catolicismo tenha sido imposto pela Igreja aos povos indígenas que viviam na América do Sul e acrescentou que “o Evangelho de Jesus Cristo não supôs, em nenhum momento, a alienação das culturas pré-colombianas, nem foi a imposição de uma cultura estranha” porque, mesmo “sem o saberem, os índios já antes procuravam Jesus Cristo”.
Os povos indígenas em questão não gostaram e Hugo Chávez exigiu desculpas ao teólogo.
Hoje Bento XVI virou o bico ao prego e reconheceu “os sofrimentos e as injustiças impostas pelos colonizadores às populações indígenas, cujos direitos humanos e fundamentais foram frequentemente ultrajados” e, em relação à evangelização no continente, “classificou como crimes injustificáveis, os excessos cometidos pelos colonizadores”.

:: enviado por JAM :: 5/23/2007 11:31:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Se eu fosse inglês talvez pudesse contar uma anedota

Estava para contar aqui uma anedota sobre um alentejano que tirou um curso superior em Lisboa mas como o tema parece não agradar ás autoridades, decidi desviar-me do assunto.
Se eu fosse inglês, poderia utilizar este link para perguntar ao meu deputado se acha normal que alguém tenha um processo disciplinar por dizer uma piada sobre o Primeiro-Ministro. Se ele não me respondesse, iria a este site que lhe enviaria os mails que fossem necessários até obter uma resposta. Poderia ainda consultar aqui a assiduidade parlamentar do meu deputado e a maneira como vota ou ainda saber o que pensa e se tem sentido de humor. Se fosse muito curioso, poderia até ver a sua declaração de interesses ou verificar como é que o partido é financiado e quanto gasta na campanha eleitoral.
Como sou português e por isso benefício de um nível de democracia muito mais elevado do que os ingleses, não faço a mínima ideia de quem é o meu deputado, não sei o que pensa nem como vota nem quantas vezes vai ao Parlamento, não sei se tem outras ocupações remuneradas para além da de deputado e também não sei como lhe hei-de perguntar se o humor (mesmo mau) já é crime ou se já há uma lista de pessoas que não podem ser alvo de uma piada entre amigos.
Se eu fosse inglês talvez pudesse contar uma anedota sobre alentejanos e cursos superiores.


:: enviado por U18 Team :: 5/23/2007 10:54:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Perguntar não ofende (51)

Carmona Rodrigues afirma que se candidata porque “recolheu apoios para uma candidatura credível”.
Estará a referir-se a este apoio?


:: enviado por U18 Team :: 5/23/2007 10:04:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Senso comum

Centenas de cidadãos de Hong Kong pedem ao conselho regulador dos meios de comunicação que classifique a Bíblia como um livro obsceno. Queixam-se dos capítulos que o livro dedica à violência e ao sexo.
Tudo começou com um artigo que apareceu numa revista estudantil em que se perguntava aos leitores se alguma vez tinham fantasiado com incesto ou zoofilia. As autoridades consideraram que o artigo era indecente e vetaram-no. Alguns grupos cristãos aplaudiram a censura do artigo. Ao invés, grupos de estudantes e professores universitários consideraram a medida um atentado à liberdade de expressão, uma liberdade que existe em Hong Kong — mas não no resto da China — graças aos acordos assinados por Pequim como condição para a devolução da colónia pela Grã-Bretanha.
De modo que os que estavam contra a censura do artigo resolveram dizer que, se o proibiam por ser indecente, com mais motivos deveriam proibir a Bíblia. Para melhor explicarem até que ponto a Bíblia contém capítulos impúdicos, criaram um site e afixaram nele extractos do livro. Ao abrigo das leis sobre a obscenidade, exigem que seja proibida a leitura da Bíblia a menores de 18 anos, que cada Bíblia tenha na capa um aviso advertindo para o seu carácter pornográfico e que seja vendida num invólucro transparente para que não possa ser folheada nas livrarias.
Mas o organismo hongkonguense regulador dos media diz que a proibição não é fácil porque “se trata de um texto religioso que faz parte da civilização”. A Reuters pediu a opinião de um reverendo protestante chinês, que explicou porque é que a Bíblia não deve ser proibida: “O facto de aparecerem nele cenas de violações não quer dizer que o livro promova esse tipo de actividades. Trata-se do senso comum.”

:: enviado por JAM :: 5/23/2007 09:33:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

E vão onze

Já são onze?

:: enviado por RC :: 5/23/2007 09:10:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

De privilegiados

De privilegiados a párias nacionais, assim ficam os funcionários públicos ainda pior tratados que qualquer outro trabalhador.

Ordem dos Médicos contesta Decreto-Lei sobre justificação de faltas dos funcionários públicos

:: enviado por RC :: 5/23/2007 08:20:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

E vão nove

Sugere Daniel Oliveira que são candidaturas a mais para tão poucos eleitores em Lisboa, a 15 de Julho. E nem contou com o combativo Garcia Pereira.

:: enviado por RC :: 5/23/2007 08:11:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Ironias


:: enviado por RC :: 5/23/2007 05:17:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Déja vu

Hoje, belo exemplo de liderança e solidariedade institucional.

Em conferência de imprensa, o secretário de Estado da Educação, disse que a ministra Maria de Lurdes Rodrigues não tem de responder sobre este caso, porque a decisão de o suspender não foi concertada, foi uma decisão individual da directora regional de Educação do Norte.

«O Ministério da Educação (ME) não tem de esclarecer rigorosamente nada. A ministra não tem nada para explicar aos deputados porque não foi a ministra que introduziu o procedimento. Por isso, não há nada a comentar», afirmou Jorge Pedreira.

Ontem, não era interessante.

"Telefonaram-me a perguntar se achava interessante ir e eu disse que não, porque achei que os jornalistas fariam hoje [ontem] todas as perguntas relevantes", afirmou na conferência de imprensa de ontem para apresentar dados sobre o relatório da auditoria ao concurso de professores de 2004/2005.

:: enviado por RC :: 5/23/2007 12:58:00 da manhã :: 1 comentário(s) início ::

terça-feira, maio 22, 2007

O que é que se passa desta vez no Líbano?

Até há poucos dias, ninguém tinha ainda ouvido falar dessa estranha organização que, sob o nome de Fatah al-Islam, está na origem dos combates sangrentos que, desde Domingo passado, sacodem o Norte do Líbano.
Pois bem: existia na Síria um grupo de palestinianos que tinha cortado relações com Yasser Arafat, em 1982, e que desde logo se pôs às ordens do governo de Damasco. As autoridades sírias serviram-se desse grupo para dar asilo e formação militar aos voluntários árabes recrutados para combater no Iraque. Mas, em finais do ano passado, num gesto de apaziguamento para com Washington, o governo de Bachar al Assad decidiu livrar-se desses islamistas vindos dos quatro cantos do mundo árabe e enviou-os para o campo de refugiados palestinianos de Nahr el-Bared onde, desde então, são eles que ditam as leis. Sobretudo porque estão fortemente armados, enquanto que os refugiados do campo foram desarmados pelas autoridades sírias, todo-poderosas nesta região do Líbano que fica a uns escassos 30 km da fronteira.
Os activistas do Fatah al-Islam foram julgados responsáveis pelo atentado que, em Fevereiro passado, fez dois mortos e vários feridos em território cristão. Quatro desses assassinos foram presos e o quinto foi morto anteontem pelo bombardeamento do campo. Mas só depois de os soldados libaneses terem caído numa emboscada, tendo vários deles sido degolados e decapitados à boa maneira da Al Qaeda.
Mais uma vez, é difícil de provar o envolvimento dos serviços secretos sírios nestes actos de violência. Eles são especialistas em apagar as pegadas. Mas, fora as condições que levaram à criação do Fatah al-Islam, não podem ignorar-se as ameaças proferidas pelo presidente al-Assad aos ouvidos do novo secretário geral da ONU, em relação ao Líbano, caso o Conselho de Segurança ponha em acção o tribunal internacional encarregado de julgar os autores do atentado contra Rafik Hariri. Ora precisamente na semana passada esse projecto avançou e muito.
A Síria nunca reconheceu a criação do Líbano, em 1943, e recusa a troca de embaixadas e o traçado definitivo das fronteiras entre os dois países. Se são de facto eles que estão por trás dos últimos acontecimentos, os dirigentes sírios desta vez terão ido longe demais. Mesmo os seus aliados habituais — o Hezbollah e o general Aoun — condenaram a matança de que o exército libanês foi vítima.
Quanto aos responsáveis palestinianos... estão desesperados, porque os refugiados do campo de Nahr el-Bared são literalmente feitos reféns pelos islamistas.

Etiquetas: ,


:: enviado por JAM :: 5/22/2007 11:38:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Grupo de Amigos de La Palisse

“o que se está a passar em Lisboa é em Lisboa que está a acontecer"

Jorge Sampaio


:: enviado por U18 Team :: 5/22/2007 09:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Prémio nome mais longo

O blog dos que querem que Carmona fique.

Não sei se Carmona é candidato, mas lá que o nome do blogue é longo, lá isso é. :)

:: enviado por RC :: 5/22/2007 08:33:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Ler os outros

Via Joana Amaral Dias destaco, de um claríssimo texto de Baptista Bastos, o seguinte excerto:

"[...] Logo após Abril, os números do aviltamento sobressaltaram os espíritos mais cândidos: quatro milhões de portugueses com ficha na PIDE, e cerca de quatrocentos mil informadores. Agora, na Socratolândia, propõe-se a setecentas mil pessoas que delatem, sugerindo-lhes que praticam uma acção moralizante quando se trata de procedimento desonroso. Este Governo, incapaz de cortar cerce a raiz da corrupção, avilta-nos a todos, ao acirrar à denúncia. E, ao incorrer no crime de corrupção moral, coloca-se na zona da delinquência que propugna punir.

Três séculos de Inquisição deram cabo do assomadiço que éramos. O terror da fogueira, a purificação das almas, o preço da salvação com que a Igreja pagava a denunciantes colocou-nos no lazareto espiritual. O mar desconhecido infundia-nos apreensão e susto. Não tanto quanto o dedo indicador do vizinho despeitado, do familiar desavindo, da amante abandonada.[...]

(nosso negrito)

:: enviado por RC :: 5/22/2007 08:24:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Et voilà

De vez em quando lá se encontram umas páginas especiais, dessas que merecem abrir os nossos exploradores da net. Ora vejam:

Media

Por acaso refere o Briteiros e foi por isso que a descobri, bem lá no fundo nas Web Pages referring to this page,
Lá onde o Briteiros acaba , mesmo antes do Portal das Curiosidades.

:: enviado por RC :: 5/22/2007 07:55:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Edição extra

Porque rir é preciso.


:: enviado por RC :: 5/22/2007 06:02:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

diz a FENPROF

Mas atenção, é preciso estarmos conscientes de que o Governo de Sócrates prepara novas medidas, extremamente violentas, contra os trabalhadores e, em especial, os da Administração Pública, procurando concretizar a aplicação integral do Código de Trabalho (já tendo propostas que o agravam ainda mais), do PRACE e do SIADAP. É nesse sentido, que já existem projectos do Governo que prevêem:

* os despedimentos, sem justa causa, na Administração Pública;
* a eliminação dos "corpos especiais", como o dos docentes;
* que o designado emprego público se restrinja aos trabalhadores das áreas consideradas "núcleo essencial das funções do Estado", em que não se integra a Educação, sendo eliminada a vinculação através da figura de "nomeação";
* a aplicação generalizada das regras de "contrato individual de trabalho", em que relevam os deveres, deixando praticamente de estar consagrados direitos para os trabalhadores (com implicações também para quem já está nos quadros).

Se acrescentarmos a estas intenções que já constam em projecto, outras que têm vindo a ser anunciadas, tais como:

* a municipalização quase absoluta do ensino básico (podendo incluir os próprios docentes, que passariam a ser funcionários das Câmaras);
* a progressiva transferência de importantes vertentes do ensino secundário para empresas, por enquanto públicas;
* A transformação das universidades públicas em entidades empresariais;
* a intenção de aplicar as regras de mobilidade especial (supranumerários) a milhares de docentes, o que, na verdade, se traduzirá no seu despedimento efectivo;
* o agravamento das condições de aposentação e a redução significativa do valor das pensões dos que já estão aposentados...

Então, não restam quaisquer dúvidas,

TODOS OS PROFESSORES E EDUCADORES
DEVEM ADERIR À GREVE GERAL!

É NOSSA OBRIGAÇÃO LUTAR POR OUTRA POLÍTICA,
EXIGIR UM PAÍS MAIS JUSTO
E EXIGIR RESPEITO POR QUEM TRABALHA!


O Secretariado Nacional da FENPROF

:: enviado por RC :: 5/22/2007 05:17:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Professor titular

Decreto-Lei n.º 200/2007
Ministério da Educação
Estabelece o regime do primeiro concurso de acesso para lugares da categoria de professor titular da carreira dos educadores de infância e dos professores dos ensinos básico e secundário

:: enviado por RC :: 5/22/2007 02:05:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Centenário de RG

Ao festejar-se hoje o centenário do nascimento de Georges Remi, jornalista e desenhador belga, centenas de milhões de pessoas de todos os credos e raças, de todos os países do mundo, celebram Hergé, criador de algumas das personagens mais estranhas nascidas da imaginação humana no século XX.
Personagens imortais: Tintin, o jornalista; o cachorro Milu, seu imprescindível companheiro de aventuras; o neurótico, dipsómano e bondoso capitão Haddock; a infalível dupla de detectives Dupond e Dupont; o original cientista professor Tournesol; a imarcescível soprano Bianca Castafiore e muitos outros que compõem o universo maravilhoso que brotou do cérebro privilegiado de um artista talentoso até à genialidade e grande conhecedor do movimento da História.
Tintin nasceu do lápis de Hergé em 1929. Tudo é surpreendente nas suas aventuras, o que explica o seu êxito até hoje não interrompido: a perfeita composição cinematográfica dos desenhos e do enredo; a descrição dos detalhes, até ao mais insignificante, que fazem de cada sequência de quadradinhos uma obra de arte; a qualidade literária dos diálogos; a agilidade da história; o carácter definido de cada uma das personagens; a capacidade do autor em deixar o fio da história no final de cada página; o conhecimento enciclopédico e sobretudo político dos acontecimentos históricos do século XX, são o marco das aventuras do jovem jornalista e dos seus amigos, incluindo Milu, o mais humano dos cachorros e também o mais histriónico.
Nos últimos trinta anos multiplicaram-se por todo o lado os clubes de tintinólogos. Agora, Steven Spielberg e Peter Jackson acariciam o projecto de filmar uma trilogia centrada nos episódios de Tintin e Milu, em tributo ao génio de Hergé. O desafio não é pequeno porque a personalidade dos seres que povoam o mundo de Tintin é tão forte, e as suas características físicas tão familiares, que exigirão, se forem interpretados por artistas reais, um esforço mais que superior de direcção e de representação. Parte da grandiosidade das personagens criadas por Hergé deve-se ao facto de elas serem inimitáveis.
A produção deverá começar ainda este ano, logo que os dois realizadores acabem as filmagens actuais (Indiana Jones 4 para Spielberg e a adaptação do romance “Uma vida interrompida: Memórias de um Anjo Assassinado”, de Alice Sebold, para Jackson). E eu diria mesmo mais: logo que as filmagens actuais acabem.

Etiquetas: ,


:: enviado por JAM :: 5/22/2007 12:12:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

segunda-feira, maio 21, 2007

Em Portugal, português?

Deliciei-me com o discurso de José Magalhães, proferido por ocasião de um simpósio organizado pela AFCEA.
Os cortes orçamentais levam a estas coisas, intérpretes, nicles. É refrescante saber que todo e qualquer português que aceda ao sítio do MAI domina a língua inglesa.

A Arte da Guerra, citada por Magalhães, pode ser lida em português: Sun Tzu, A Arte da Guerra, por uma estratégia perfeita, Madras Editora Lda, S. Paulo, 2006, ISBN 85-7374-640-8. www.madras.com.br

:: enviado por RC :: 5/21/2007 09:43:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Caso DREN, ainda

O apelo final de Francisco José Viegas

Sei que o senhor primeiro-ministro não concorda com este tipo de perseguições. Não deixe que isso aconteça no seu, e meu, país. De contrário, o senhor será responsável pelo reaparecimento de milhares de pequenos ditadores e papistas, um pouco por todo o lado. Eles detestam-no a si porque o senhor é de uma nova geração de políticos que nasceu para a política já em liberdade; mas aproveitarão a boleia que este caso pode dar-lhes para satisfazer a pequena tentação portuguesa da intolerância.

:: enviado por RC :: 5/21/2007 05:19:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Caminho perigoso

Com a nomeação de Rui Pereira para o MAI, o PS e o Governo deram um golpe profundo na imagem relativamente transversal de independência do Tribunal Constitucional. É verdade que Rui Pereira não podia nem devia ter aceite o convite depois de há menos de dois meses ter dado início a um mandato de 108 meses (!?) num cargo com vocação e características muito especiais num tribunal com papel central na organização do Estado. Mostrou ser “pau para toda a colher” e revelou ter uma concepção meramente partidária dos cargos e órgãos do Estado! Não esteve à altura da sua eleição para o TC!

Pior que isso é que este convite e esta nomeação confirmam a visão instrumental que Sócrates tem dos restantes órgãos do Estado. Já há alguns meses atrás, (a propósito da Lei das Finanças Locais), o tinha mostrado, ao remeter para o TC uma longa carta onde teorizava sobre a necessidade da aprovação daquela lei, acto evidente de pressão ilegítima sobre o Tribunal Constitucional. Confirma mais uma vez esta sua visão instrumental e autoritária da organização do Estado, lançando às malvas a reserva de independência que deveria ser o primeiro a preservar para o Tribunal Constitucional. Ao remeter para o Governo um homem que dois meses antes indicara para o TC, Sócrates faz subordinar este órgão do Estado aos interesses partidários, atinge profundamente a sua imagem, toma uma decisão de consequências perigosamente imprevisíveis para o futuro funcionamento e estabilidade do Tribunal Constitucional.

[Honório Novo, JN/21.05.07]


:: enviado por JAM :: 5/21/2007 04:59:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

domingo, maio 20, 2007

Cuidado


Helena Roseta teve uma vitória que lhe foi concedida pela governadora civil de Lisboa, estupidamente - disse o professor Marcelo.


Mas então as G. Civis tomam decisões estúpidas?

Insinuar estupidez na G. Civil, nomeada pelo ministro, nomeado pelo Primeiro Ministro de Portugal, não é uma ilegalidade?

:: enviado por RC :: 5/20/2007 09:19:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::

Starkozy, primeiro rei do jet-set

As imagens da entronização, ou melhor do coroamento, de Nicolas Sarkozy, na Quinta-feira, no Eliseu, não podiam ter sido mais opulentas. Em primeiro lugar, o tapete vermelho, exactamente como no festival de Cannes. Sarkozy apareceu vestido de Dior Homme (como a maior parte das stars masculinas de Cannes), sapatos de berloques à Beau Brummell, o pai incontestável do bom gosto masculino. Depois, a família Sarkozy igualmente bem vestida e descontraída, quais vedetas de uma superprodução americana. Uma Sarko-família, em postura de dinastia democraticamente eleita, estilo Kennedy, saudando longamente o muro dos fotógrafos — como em Cannes. Uma Cecília Sarkozy, com um ar menos Prozac que de costume, num vestido de cetim Prada — a marca das actrizes intelectuais de estilo em Cannes. Sem esquecer os Sarko-rebentos que faziam lembrar os filhos de Carolina do Mónaco — também muito perto de Cannes.
Já alguns dias antes, a escapadela de Sarko num iate ao largo de Malta nada tinha de uma concebível leviandade de um chefe de Estado. Parecia mais o espairecimento da gente do jet-set que procura ao mesmo tempo um refúgio (o mar, o lugar de mais difícil acesso para os paparazzi) e uma cena de impacto para a revista Paris-Match (a silhueta grã-fina que sobressai do luxuoso iate branco, sob a dança magnificente dos helicópteros).
Eis pois a força mediática de Starkozy: o ter conseguido desviar os códigos espectaculares da imprensa do jet-set para com eles fazer uma espécie de epifania política. A esse propósito, todos aqueles que gritaram aos quatro ventos que a fuga de Sarkozy no iate e as suas relações com o proprietário do mesmo eram um insulto à opinião pública francesa não percebem que a celebridade e o dinheiro gasto a rodos já não são vistos como uma coisa vergonhosa e desprezível, mas antes como o modo habitual de aparição do jet-set, ou seja, dos admirados, dos adulados, dos adorados.
Viva o jet-set!

:: enviado por JAM :: 5/20/2007 07:57:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

O silêncio

Como disse alguém, é preciso vencer este silêncio velho. José Medeiros Ferreira, no Bicho Carpinteiro, escreve hoje um post absolutamente demolidor. Se ainda houver por aí algum responsável do Partido Socialista que acredite nos valores da esquerda, um afirmação destas, por parte de um respeitado português e socialista, deveria perturbar o olímpico silêncio.
Não deveriam os militantes, os que votam, os que vão aos jantares, os que abanam as bandeirinhas, os que pagam as quotas, merecer mais?

Os silêncios do regime

Lá consegui os jornais e li artigo do VPV no Público.VPV indigna-se, e bem, com a história de um professor de inglês que foi suspenso pela directora regional da educação do norte por ter feito «um comentário jocoso» sobre a licenciatura do primeiro-ministro.É obvio que a senhora se excede e merece uma cura de bom senso.Mas não tem razão o Vasco quando diz que nem no tempo do salazarismo acontecia uma prepotência desse género.Acontecia, e cito o processo disciplinar que me expulsou de todas as Universidades Portuguesas por 3 anos, em 1965, por ter usado um tom jocoso!
«O tom jocoso da sua fala transparece claramente da fotografia junta a fls423, e é confirmado sem hesitação pelo funcionário(x) e pelo estudante(y)»
Como escreveu o saudoso Salgado Zenha, futuro fundador do PS, no meu recurso:
«Esta história do tom jocoso não deixa de ter a sua graça...»(in Salgado Zenha, Jorge Sampaio, Jorge Santos, Universidade-Processo de uma expulsão disciplinar Lisboa 1967,pp77-79)
Como se constata desta vez até o regime anterior fazia o mesmo!Só nos faz falta o Salgado Zenha para nos rirmos amargamente.

posted by josé medeiros ferreira @ 15:48

:: enviado por RC :: 5/20/2007 07:38:00 da tarde :: 1 comentário(s) início ::

Pior a emenda

Pedro Silva Pereira brinda-nos com as suas preciosas opiniões e repete o discurso moderno do politicamente correcto. Quanto à possibilidade da saída de Rui Pereira do Tribunal Constitucional ser uma menorização do mesmo, responde:
O que alguns menorizam é o serviço público que se presta no Governo. O que Rui Pereira fez foi também dar provas de grande disponibilidade para o serviço público. Porque ele tinha pela frente um mandato de nove anos tranquilos. E troca essa segurança por um desafio muito exigente. Poucos o fariam.
Ora a resposta confirma a sugestão da pergunta. Ficamos a saber que ser juíz do Tribunal Constitucional é um trabalho tranquilo e pouco exigente. Ser o garante último do cumprimento da Constituição da República não é nada quando comparado ao exercício do poder executivo. Quem assim pense nunca deveria ser nomeado para tal cargo.

Quanto a Helena Roseta, não resiste a ir logo à garganta, "e na vida em geral" revela que PSP até já se arvora em julgador moral.
A situação é diferente. Helena Roseta deixou o PS. É um estilo de estar na política e na vida em geral . O estilo de agredir constante e publicamente os seus companheiros políticos e estar disponível no dia seguinte para se tornar adversária dos companheiros da véspera.

O solitário NÃO de Roseta no congresso do PS é uma espinha na garganta de muitos, principalmente daqueles que não conseguem entender que os valores da liberdade nunca serão servido por unanimismos de outros tempos.

:: enviado por RC :: 5/20/2007 01:32:00 da tarde :: 0 comentário(s) início ::